Total de visualizações de página

domingo, 20 de março de 2016

UM TRISTE DOMINGO DE RAMOS.


Missa de ramos é uma missa que não me lembro tê-la faltado em toda a minha vida. É neste dia que sempre faço a minha páscoa. E apesar de hoje em dia, durante as tempestades, não gritarmos mais por São Jerônimo e ou Santa Bárbara, hora própria para queimar os ramos, eu nunca deixo de levar o meu "galhinho" de coqueiro para ser bento e depois guardá-lo e ser queimado numa solenidade católica. 

E hoje, neste dia importante para mim, eu busco nas gavetas das minhas memórias, o Domingo de Ramos do ano de 1958, quando eu contava doze anos de vida e ainda morando na casa em que nasci na Rua Coronel João Afonso, num velho chalé onde hoje está edificada a casa do Sr. Milton Alves.

Eu amanheci naquele dia com uma dor de barriga danada. Não era bem uma dor de barriga, era um desando bravo. Aliás, essa questão de dor de barriga confunde. Eu sempre ouvia a minha avó Olinda falar: “Gente dor de barriga é um trem danado!”. Eu até hoje não entendo bem essa coisa. Tem gente que fala dor de barriga, outros, intestino ruim, diarreia, andaço, disenteria, tudo isso, enfim, acaba terminando em bosta mole ou líquida, o que é também, um adjetivo depreciativo. 

Apesar de ser católico, frequentador da igreja e gostar de visita-las nas cidades por onde passo, até hoje foram raríssimas as igrejas com as quais eu me deparei com banheiro público. A maioria não tem banheiro nem para os padres. Eu posso ter a certeza de que muita gente foi ver banheiro público dentro de uma igreja, aqui em Candeias na Nova Matriz.

Isso dá para entender quando diziam que o Monsenhor Castro não teria ido celebrar a missa porque estava doente. Ai então, a casa dele enchia de visitas e ele estava lá com cara de quem nunca esteve doente. Naturalmente, inventava uma historinha.  ----- Afinal um padre falar que não foi celebrar a missa porque estava com dor de barriga não ficaria bem---- O problema não seria o jeito ou a palavra que fosse usar para expressar o incômodo, o problema seria o jeito do povo entender e comentar.

Já pensou estar celebrando uma missa e começar uma trovoada na barriga? Ter que largar a missa e sair, ou então se borrar todo?

A gente pode ver o quanto o ser humano é frágil é numa hora dessas. Há tempos, o escritor Luiz Fernando Veríssimo, passou um aperto danado no Aeroporto no Rio de Janeiro e contou o fato numa crônica.  (Dias de Merda)

Como dizia, no dia anterior, eu teria saboreado um belo de um pedaço de carne na casa da Dona Ester, minha vizinha, quando teria ido lá capinar o seu canteiro de couves. Menino é sempre extravagante, e menino pobre é sempre esganado. Principalmente quando tem vizinhos sem filhos que ficam dando coisas “meio passadas” para não perder ou jogar fora.

Esses agrados costumam acabar se transformando num purgante pior do que um clister preparado com água de jalapa, sal amargo e azeite de mamona, como eram preparados no passado. Não precisa nem lombrigueiro os parasitas infestantes “cascam” fora de medo de morrerem juntos com o cristão. Dor de barriga de pobre depois de curada só fica lá dentro as tripas e o estômago. O resto sai tudo.

Até hoje fermenta no meu cérebro o fato de que a causa do mal foi aquele bendito pedaço de carne. Era desses que ficam curtindo no meio da gordura numa lata, nos tempos que geladeira era coisa de rico e a carne costumava ficar rançosa. Enfim, pobre é assim, tem estômago grosso, não gosta de jogar fora, e está sempre dando um jeito de aproveitar.

Amanheci com uma tempestade dentro da minha barriga. Às vezes eu pensava que um raio ia sair de mim pela boca ou por outro buraco qualquer. E como na minha casa nesse tempo não tinha banheiro dentro de casa, o que havia era uma latrina no fundo do quintal, sai em disparada e por pouco, por muito pouco, eu teria me lambuzado todo.

Na matriz de Candeias havia três missas no domingo. Às 06, 08 e 10. Comunhão só nas duas primeiras. Isso porque naquele tempo as pessoas só se comungavam em jejum completo. Nem água se tomava antes da comunhão. Confessava-se ao padre no dia anterior e na maioria das vezes a missa da comunhão era às 6 horas. Pouca gente tomava a hóstia às 8 horas. Às 10 nunca. Na Semana Santa havia sempre um padre de plantão para confessar o povo.

Criou-se um impasse entre mim e o meu hábito de fazer a páscoa no Domingo de Ramos. Seria muito arriscado depois daquela descarga intestinal, ir para a igreja apenas numa hora depois.

Um tanto apreensivo, fiquei me observando se daria para ir à missa das 10. Perder a missa do domingo já era sacrilégio, imaginem no Domino de Ramos?! Com isso a minha páscoa já teria que ser transferida. 

Contudo a tempestade passou dentro de mim. Parece que a paz reinou nos meus intestinos, e até os habitantes parasitários teriam morrido ou acomodado. Era triste lembrar de que um pedaço de carne tão bonito, tão raro e tão saboroso pudesse causar um estrago tão grande num dia tão importante da minha vida.

Fui. E como gostava de andar cedo para tomar um lugar assentado, acomodei-me bem próximo de um comerciante antigo de Candeias, que se chamava Sebastião Redondo, assentado junto de seu filho mais ou menos da minha idade. E como naquele tempo as missas eram em latim, os adultos ficavam rezando o terço durante a missa e os meninos olhando para os lados.

De repente uma surpresa! A tempestade começou de novo lá dentro de mim. E deu para o Antônio, filho do Sebastião Redondo ouvir e ficar de olho em mim. Aquilo me incomodava, eu com aquele raminho na mão esperando a hora que o padre pedisse para suspendê-lo e receber a benção. E essa hora nunca chegava, e foi juntando na minha cabeça aquele “Dominus Vobiscum” lá na frente que não acabava nunca.

E eu fui ficando desesperado e a tempestade dentro de mim parecia que aumentava, e eu com medo de sair algum raio pela boca ou por outro buraco qualquer.

Eu já não obedecia ao padre.  Não ajoelhava, não ficava de pé... Permanecia assentado e inerte apenas trancando a válvula de saída do meu aparelho intestinal. Na hora da bênção dos ramos, muito sem gracinha, levantei o meu braço com o raminho de coqueiro sem me levantar, com medo da válvula disparar.

Finalmente eu ouço a única frase que eu entendia da missa: “Deus, Pater, et Filius, et Spiritus Sanctus”. Era a bênção final.

O povo foi saindo, mas eu não me arrisquei. Quando a igreja já teria sido quase toda esvaziada, eu me levantei bastante apreensivo. Parece que a tempestade dos meus intestinos havia dado uma trégua. Fui saindo vagarosamente e quando vou virando a esquina que desce para a minha rua, próximo da casa do Sr. Raimundo do Mariano, notei que a tempestade deu sinal de voltar.

Dei uma paradinha, olhei para um lado e para outro, firmei a mente e consegui dar uma travada na válvula de saída e consegui ir andando vagarosamente, parando e seguindo, com a mente na válvula do aparelho digestivo localizada na ponta do intestino grosso.

Quando eu me encontrava há duzentos metros de minha casa, onde hoje se localiza a empresa do Sr. Celso Machado, eu senti que a bendita válvula quase se disparou. Assustado, parei ali naquele lugar e tentei com todo o meu aparato mental, convocar as musculatura lisas e de suporte; nervo pudendo em ação, o períneo e especialmente o músculo esfíncter.

Após essa imobilização mental, continuei vagarosamente a minha caminhada.

Faltando três metros para entrar no corredor que dava para a porta da minha residência, e eu já dando graças a Deus, veio a minha cachorrinha “Tutuca” me receber com festa... Eu perdi o controle da mente e todo o aparato anal se desandou, e eu me borrei todo... Que dó que fiquei do meu terninho de brim, cor de burro fugido, especial para ver missa, ali todo borrado.


Ah, nos sinônimos de diarreia eu não tinha me lembrado de borrada. Para mim é a pior porque coitadinho do meu terninho, o que ele tinha com isso! É  ou não é?!

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos.










Nenhum comentário: