Total de visualizações de página

terça-feira, 29 de setembro de 2015

O CANDELÁRIA - UM CAPÍTULO DA HISTÓRIA DE CANDEIAS. 3ª PARTE.


                                 Gov. Antonio Carlos e Arcebispo Dom Cabralde na década de 20.

O nosso Blog Candeias Casos e Acasos está reproduzindo em partes o jornal candeense de 1929, O CANDELÁRIA.  Já publicamos a primeira e segunda parte, agora estamos mostrando a terceira; e conforme já dissemos, a reprodução e edição estão sendo feitas na íntegra, inclusive com supostos erros gramaticais para que os candeenses possam ter uma noção completa desse semanário que registrou um capítulo muito importante da nossa história, onde podemos ver a luta dos nossos políticos de então, aqui retratada pelo vereador Américo de Paiva, politico que merece lugar de destaque na história de Candeias e que deveria ter a sua memoria respeitada pelos atuais ocupantes das cadeiras de vereadores em Candeias.

JORNAL CANDELÁRIA         (PARTE TERCEIRA)

Exmo. Snr. Dr. Antonio Carlos Ribeiro de Andrada.
D.D. Presidente do Estado de Minas Geraes

De acordo com a vontade unanime do laborioso povo de Candêas, prospero districto do município de Campo Bello, eu, vereador especial e delegado das altas aspirações do eleitores, contribuintes e toda população do districto, tomo a liberdade de passar às mãos de V.Excia. este memorial que, em resumo, descreve a nossa grandeza e as nossas necessidades. Confiados no vosso espírito de justiça, no vosso patriótico governo, espero merecer vossa preciosa atenções.

Candeias, como vós sabeis, é o prospero districto de Campo Bello, cuja sede é servida por estrada de ferro, optima instalação de luz e força, bonita localidade a novecentos e cincoenta metros de altitude que lhe dá um clima ameno e salubre;  districto grande, populoso, com cerca  de mil eleitores, optimo commercio, terras ubérrimas, repartidas em ricas fazendas cheias de pastagens e extensos cafezais com a produção calculada em cerca de 150.000 arrobas de café anuaees, vem desde que este produto valorizou-se, passando por um surto de progresso e de reiqueza que muito tem contribuído para o seu desenvolvimento.

Sendo ainda Candêas um districto sujeito a administração do Municipio de Campo Bello que nem sempre attende as aspirações justas do povo, como no momento actual, sente a necessidade de expandir-se, crescer e vê-se coagida porque, devido as organizações administrativas, não pode muitas vezes, pedir diretamente dos altos poderes do Estado as medidas precisas ao seu desenvolvimento; e assim, sem poder respirar livremente, tem vivido debaixo da pressão do governo municipal.

A Camara actual, como muitas outras passadas , absorve todas as rendas do município sem cuidar do districto de Candêas que vive em completo abandono e se tem luz e força e demais melhoramentos, deve a si própria, feitos por iniciativa particular. Assim pois, como não pode continuar esse estado de cousas. Candêas pede licença a V.Excia, para quebrar a norma seguida até então, vindo diretamente à vossa presença para reclamar do vosso benemérito governo os melhoramentos que precisa.

Como vereador do districto à Camara ora constituída, lavrei, e commigo mais um vereador geral, solemne protesto contra o empréstimo que a Camara votava, e cujo certidão aqui junto, porque o resultado deste empréstimo seria somente para a instalação de energia electrica na sede do município que não tinha necessidade de outra instalação. Visto que poderia adquar em Candeias onde há uma empresa, com concessão e contracto com o governo que se prontificou a fornecer mais de trezentos cavalos de força o que ficaria muitíssimo mais barato, e também porque Candeias, aspirando sua elevação à cidade não quer assumir a sua responsabilidade proporcional na quota desta dívida.

A Camara actual, systematicamente, não atende os pedidos para urgentes necessidades no districto, como sejam --- consertos e conservação das ruas e das pontes, estradas, e até medidas já votadas não são executadas.

Como inspetor districtal escolar e presidente da Caixa Escolar, venho há muito me empenhando com o D.D. secretário do Interior, conforme representações de valor que junto ao mesmo tenho apresentado e do mesmo obti apenas informal promessa do fornecimento de mais cadeiras; de um grupo escolar, visto que a necessidade urgente de um prédio próprio para instrucção publica porque, conforme a ultima matricula do corrente anno , a população escolar atinge a cerca de quatrocentos meninos entregues apenas, a três professoras que não dispõem de commodos próprios nem mobiliário; assim, as escolas estão funcionando em salas apertadíssimas e improprias. Além disto, no districto tem povoados com grande numero de creanças, em idade escolar, como sejam --- Fazenda do Retiro Furtado, Pereiras, Garcias e outros.

Como o governo de V.Excia. tem tido por escopo,  mais do que nenhum outro, o desenvolvimento da Instrucção Publica do Estado, ltemos certeza que a creação dessas escolas e da melhoria da insltrução em Candêas ainda não se  deu devido a má vontade dos dirigentes da politica municipal, de Campo Bello, que devido ao progresso de Candêas, e o pratriotismo de seu povo, de proposito, há muito vem tolhendo o seu desenvolvimento. Portanto, nesta parte, temos certeza que V.Excia. tomará as necessárias providencias pois será um complemento do seu vasto programa de governo.

Também reclamo de V.Excia. sobre o policiamento. Devido incompatibilidade creada entre as autoctoridades locaes e o delegado Regional de Campo Bello, Candêas está sem policiamento porque o sub-delegado e seu substituto pediram exoneração em officios dirigidos ao Secretário da Segurança Publica, e como é um logar populoso já cabia um destacamento de pelo menos duas praças. Firmando mais uma vez o nosso fraco mas inteiro apoio ao patriótico governo de V.Exia. contamos com o acolhimento benévolo e justiceiro de V.Excia.
Candêas 20 de Abril de 1929

Ass. Vereador do districto: Américo Brasiliense de Paiva.
Candêas 20 de Abril de 1929


Nós candeenses precisamos reler a nossa história e não permitir que façam do nosso município algo tão mal administrado, tão mal cuidado, sem esperança e sem expectativas. Não podemos deixar que o nosso município continue sendo vitima da incompetência, e dos interesses próprios desses politícos que apoderaram do município e fazem dele o que querem. É preciso que a sociedade candeense se mova para coibir esses abusos que acontecem em nosso município. Vejam por exemplo o caso do Matadouro Municipal, isso é uma vergonha para nós, é uma humilhação que não podemos permitir.

Armando Melo de Castro
Candeias Casos e Acasos.











domingo, 27 de setembro de 2015

O CANDELÁRIA ( SEGUNDA PARTE)

                                                       D. Antonio dos Santos Cabral

 Continuando à postagem em partes do número especial do jornal “O CALENDÁRIA” de Candeias, datado de 21 de abril de 1929, desta feita, estamos editando a segunda parte da primeira página do referido semanário. Como já dissemos, a reprodução estará sendo feita na íntegra comportando inclusive a antiga ortografia e supostos erros gramaticais; para que os leitores tenham, também, uma orientação mental desse documento histórico da nossa terra.

Segunda Parte:

D. Antonio dos Santos Cabral

Sentimos grande desvannescimento e honra, publicando em nosso primeiro numero o retrato de S.Exc.Revma, Snr. D. Antonio dos Santos Cabral, o emérito e zeloso arcebispo de Bello Horizonte, a cuja archidiocese Candêas pertence. E não sem motivo o fazemos, porquanto muito deve nossa terra, em amizade, ao digno metropolita. Em lapso de tempo não longo, quatro benéficas visitas tivemos de S.Exc.Revma, o que era suficiente para provar quanto nos estima o D.Cabral.
Pastor zeloso, cuja fé e fervor no cuidado do seu rebanho bem se tem patenteado na solicitude com que desempenha o seu múnus pastoral, D. Cabral é bem um arcebispo digno da Capital deste enorme e promissor Estado de Minas.
“O Candelaria” homenageando a tão ilustre autoridade nada mais faz do que tributar mui merecido reconhecimento ao seu valor de homem de ciência, de fé, e pastor carinhoso.

Salve 21 de Abril

A pátria brasileira comemora, hoje, uma das suas datas nacionais que mais desperta o sentimento patriótico do povo. Foi em 1792 que o proto-martyr da Independencia, em sublime holocausto, derramou o seu sangue pela grande idéa que, como semente bendita, cresceu germinou e fruetificou-se “Libertas que sera tamen”,  foi o dilema, e a Liberdade que veio pelo grito do Ypiranga, insuflando nos brasileiros o amor e o estimulo.
Assim o Brasil tendo quebrado os grilhões que o prendiam, livre, forte e unido, veio crescendo, progredindo até tornar-se o que é hoje esta nação poderosa que pésa na balança mundial ao lado das potencias mais fortes.

REPRESENTAÇÃO POLÍTICA

Ao Exmo. Sr. Dr. Antonio Carlos, presidente do Estado, foram apresentados, pelo Snr. Cel. Américo Brasiliense de Paiva, nosso digno vereador districial, sub-inspector escolar e delegado dos sentimentos patrióticos e políticos do povo de Candêas --- um abaixo assinado com assinatura de mais de  seiscentos eleitores e contribuintes deste districto, e um memorial feito pelo mesmo senhor e que transcrevemos abaixo:

---Exemo. Snr. Presidente de Estado de Minas Geraes.

Os abaixo assignados, lavradores, commerciantes, industriaes,  eleitores contribuintes, do cofre municipal, confirmando o protesto feito pelos vereadores, especial e geral deste districto na sessão da Camara Municipal de Campo Bello, em 26 e 28 de setembro p.passado, como prova a copia annexa, vêm a presença de V.Excia. commuicar que a Camara Municipal está pleiteando um grande empréstimo com o Estado ou com firmas particulares; e como esta operação vem collocar o nosso districto em dificuldade, porque deseja sua emancipação, isto é,  sua elevação á cidade, pedem a intervenção de V.Excia. para que tal operação não se realize, e, caso seja feita protestam contra qualquer responsabilidade que possa pesar a este districto que só deseja melhoramentos de acordo com os seus rendimentos próprios, ou por iniciativa particulares feitas até aqui, como é de justiça esperam os abaixo assignados que V.Excia. tome providencias para que o nosso districto não fique sobre-carregado com ônus que venham paralysar o seu desenvolvimento, dificultando e desgostando os contribuintes e produtores e, em fim, toda população avida de progresso.
Candeias 28 de março de 1929

Como podemos ver o candeense do passado lutou para nos deixar uma cidade conseguida com luta e sacrifícios, para progredir. Não para ser entregue as traças como está sendo feito. Portanto, é preciso que o povo se envolva num sentimento próprio, de unidade e amor; que revejam a nossa história para que nas próximas eleições possamos ver cair esses políticos que fazem do município um curral de seus interesses próprios.
                                        
Aguardem a terceira parte.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

O CANDELÁRIA E A NOSSA HISTÓRIA. (1ª PARTE)

                                                      Antonio Carlos, Presidente do Estado

O dia 29 de abril de 1929 foi um dia marcante para a nossa terra. Para a nossa querida Candeias, que naquele tempo, ainda um distrito, a palavra era grafada como Candêas.

Nascia o Jornal “O CANDELÁRIA” e nesse dia circulava o seu primeiro exemplar. O jornal tinha como diretorLuiz Andrade --- Redator Chefe: Newton Lamounier – Gerente Silvio Bonaccorsi.

O semanário contava ainda com diversos colaboradores. Entre eles um vereador que muito se destacou juntamente com o Dr. Zoroastro Marques da Silva, para a emancipação do nosso município. Trata-se do Sr. Américo Paiva.

O nosso Blog Candeias Casos e Acasos hoje apresenta o jornal e o seu editorial, no entanto, é de nossa intenção editar todo o seu conteúdo distribuído em posts separados, para que as pessoas possam conhecer esse capítulo da nossa história.

O Jornal de duas folhas trazia na primeira página as fotos do então Presidente de Estado de Minas Gerais Dr. Antonio Carlos com a seguinte nota reproduzida na íntegra:

Dr. Antonio Carlos, Presidente do Estado

“Apparecendo, hoje o nosso primeiro numero, é justo que, como homenagem ao grande estadista que ora dirige os destinos do nosso Estado, estampemos em sua colunna de honra, o retrato de S.Exc. que, assim como tem com alto critério e rara habilidade politica creado, em todo o Estadop, a harmonia, a liberdade e a justiça, também será o patrono de Candêas, para que ella consiga a realização de seus altos ideaes.”

Como editorial a matéria vai transcrita, abaixo, na íntegra, inclusive os erros por ventura existentes e  respeitando a ortografia da época. Isso feito para mostrar aos jovens de nossa cidade a originalidade desse instrumento que a meu ver é histórico, e que lamentavelmente os políticos atuais, de Candeias, não têm sensibilidade e nem respeito  para com a história do nosso município.

NOSSO IDEAL

"Apparece, hoje, o primeiro número do “O CANDELÁRIA”,  jornal exclusivamente dedicado ao desenvolvimento de nossa terra e a elevação do nosso conceito perante aos nossos vizinhos, perante aos dirigentes da politica e da administração  estadual, para que fiquem capacitados e cientes da nossa grandeza, da nossa força de vontade, dos elementos que contamos para darmos mais um passo na nossa collocação administrativa, para, assim, nos tornarmos aptos ao desenvolvimento das nossas iniciativas.

O nosso patriotismo foi sempre a alavanca que fez demolir todas as barreiras que nos antepunham no caminho do nosso progresso, e, se, com energia, com tenacidade e firmeza, supperamos todos esses obstaculos e conseguimos, com nossas próprias forças, vêr realizados os grandes e custosos melhoramentos que já temos inaugurados, porque então, agora que já contamos com esta grande base não podemos prosseguir, unidos e fortes cheios de harmonias, o grande ideal, o supremo desejo -- elevar o nosso districto à villa?

Está na nossa consciência, illuminada com a luz da justiça e da Razão, a convicção perfeita,  plena que merecemos tomar posse de um plano superior onde possamos respirar mais liberdade, que é o ideal de todos os povos civilizados, onde devemos dispender todas as nossas energias para que Candêas, que será num futuro não muito remoto a Villa Candelaria, prossiga na sua marcha evolutiva e possa atingir, orgulhosa e livre, a méta idealizada pelos seus filhos.

O que devemos ter sempre em vista é que, para alcançarmos esses desejados resultados, torna-se preciso que estejamos unidos, que nossos pensamentos estejam sempre gravitando em torno deste único ideal, e que as nossas vibrações sejam,  em communhão, de harmonia, verdade e justiça, pois, desta maneira, ungidos de fé, cheios de esperanças, tornaremos a numa Candêas respeitável e forte cujos élos não se partirão jamais.

Temos, sem suggestão de amor próprio, esta base de grandezas: --- uma sede linda, cheia de ricos prédios, um desenvolvido commercio;  optimo clima; o districto repartido em magnificas fazendas cheias de pastagens e grandes cafezais; excellente água potável; luz electrica; estrada de ferro e de automóveis; É isto tudo que constitui o nosso orgulho, pois que esta poderosa fonte de riqueza, quer queriram quer não, tem que nos elevar ao plano da nossa emancipação. Este é o nosso programa."

Ainda na primeira página o jornal apresenta o então Arcebispo de Belo Horizonte, Dom antonio dos Santos Cabral e outras noticias que serão apresentadas numa próxima edição deste Blog.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

POUPANÇA! SAIA DESSA GELADA!



Dizem que conselho se fosse bom a gente não dava de graça, ao contrário, vendia. Quem gostava muito de dizer isso era o meu avô João Delminda. De outra forma o Mozart Sidney gostava de dizer que o dinheiro é um guardado que precisa ser vigiado. Contudo eu vou me arriscar, como um velho bancário, dando aos meus amigos candeenses esse pequeno conselho: Se você tem algum dinheiro na Caderneta de Poupança, essas suas economias não estarão em boas mãos. Na atual conjuntura do país desgovernado, poupança pode ser uma gelada.

De fevereiro até hoje, o povo já sacou 50 bilhões. Mês após mês o saque vem aumentando gradativamente. Em agosto esse saque chegou a 7 bilhões. Nós não podemos nos esquecer de que o dinheiro que está na poupança é parte da dívida interna do governo, ou seja, é um dinheiro que o governo está devendo para o povo. E um governo que está devendo 2 trilhões e 500 bilhões, e tão cheio de desencontros, não é um governo confiável. 

O governo do Partido dos Trabalhadores não trouxe, a bem da verdade, nada de melhoras para o Brasil, se olharmos para trás estamos nos mesmos trilhos dos governos passados. Com uma diferença: o Brasil nunca esteve devendo tanto como deve agora.  Estamos diante de um governo que não tem 30 bilhões para tirar o orçamento de 2016 do vermelho e com uma dívida numerosa como nunca. 

Um governo que não consegue cortar gastos na sua gestão para fazer um ajuste fiscal e continua gastando mais do que arrecada ---- governo desorientado dentro de uma turbulência política e dando demonstrações de total incompetência e uma corrupção incontrolável. Um governo irresponsável, que não respeita orçamentos e pensa que dinheiro dá em árvores. Um governo que se encontra no corte da navalha com relação ao crédito internacional. 

Governo que fala e “desfala” vendo o trabalhador no bico do urubu, desempregando-se e diante de uma inflação beirando os dois dígitos, ou seja, próxima dos 10%. 

Um governo mentiroso.  Que mente para manter o seu populismo irresponsável. Um governo cheio de greves, inclusive dos serviços essenciais, como no caso o INPS há dois meses de greve; médicos protestando. 
Faculdades de greve. Policias ameaçando greve. Um país caminhando a passos largos rumo a um grande buraco econômico, com um PIB encolhendo a cada vez mais, sustentado apenas pela agropecuária, por ser um segmento que depende menos do governo e menos corrompível. 

Os investidores, internacionais perdendo a confiança com o Brasil, mesmo porque, onde andam os investidores internacionais? Um país onde um dos empresários mais ricos, (Marcelo Odebrecht está preso) mais um monte de políticos e empresários que quebraram a empresa que representava um orgulho do país, por corrupção, a Petrobrás. 

Um governo ameaçado de ser caçado por corrupção, tudo isso diz que O GOVERNO DILMA ROUSSEFF ESTÁ QUEBRADO, DESMORALIZADO, DESACREDITADO E SEM FUTURO. 

E olhem amigos, um governo quebrado e mentiroso é perigoso. Ele não respeita leis, ele faz a lei que se torna lícito a mão no bolso do povo. Lembrem-se do Collor com a poupança? Do Sarney com o imposto da gasolina? E o Fernando Henrique com a CPMF? E outros rombos mais que a gente às vezes se esquece. 

Portanto, amigo, se você está com problemas com o imposto de renda ou dinheiro em poupança, corra de um confisco. No máximo deixe os seus trocados em renda fixa, porque o perigo está às soltas. O conselho é meu, mas o dinheiro é seu. O meu é pouco, mas está debaixo do colchão.

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos.
242 postagens. -- 127.000 acessos.



sexta-feira, 4 de setembro de 2015

PREFEITO DR. JOSÉ PINTO DE RESENDE.


Na década de 50, por volta do ano de 1955, Candeias era um município que trazia ainda consigo os traços do distrito que teria pertencido à cidade de Campo Belo, até o ano 1938. O comércio era praticamente o mesmo. As novas construções eram raras. A Empresa Força e Luz Candeense, de propriedade do Sr. Celestino Bonaccorsi, já não atendia a demanda. Afinal teria sido fundada na década de 30 e nenhum investimento teria sido feito. Já estava àquela empresa caminhando para o sucateamento.

A Cemig teria sido fundada em 1952, portanto, ainda “engatinhava” nas suas expansões e as preferências eram para as grandes cidades. Até então, locais como Candeias não faziam parte do plano de expansão da empresa.

O fornecimento de água encanada era precário. Ainda existia em alguns pontos da cidade torneiras públicas, onde as mulheres lavavam roupas nas ruas; e quando o fiscal João do Ibraim, da prefeitura, vinha com os seus operários capinando as ruas e atingiam os seus quaradores de roupas, era aquele xingatório, as mulheres ficavam bravas. Isso sem falar dos cachorros que, às vezes, vinham e pisavam nas roupas expostas ao sol para quarar. Aquele falatório das mulheres lavando roupas e enchendo latas naquela bica coletiva, está bem guardado numa das gavetas dos armários da minha memória. Nas casas a água era muito bem aproveitada até mesmo depois de serem usadas para tomar banho. Dona Marica da Melada, por exemplo, tomava o seu banho, e vinha jogar a água usada no seu terreiro da rua para apagar a poeira. Era verdadeiramente um tempo de vacas magras.

Surge um prefeito, um jovem prefeito: Dr. José Pinto de Resende, filho do ex-prefeito, Sr. João Pinto de Miranda. Podemos dizer que existem dois tempos na vida de Candeias: antes e depois do prefeito José Pinto de Resende. Um prefeito que deveria ser mais lembrado pelo povo de Candeias, pelo seu dinamismo, pela sua competência administrativa, pela atenção com o povo. Um homem que não se  escondia em gabinete, estava sempre presente diante do povo e na cola dos deputados e governador, a fim de trazer melhoramentos para Candeias. E tem mais: o seu partido, a UDN, União Democrática Nacional, era de oposição ao governo estadual e federal, e no entanto ele conseguia benefícios para o município. 

Ruas foram abertas, terraplanagens foram feitas. Foram iniciados os calçamentos das ruas, praças e jardins foram projetados. Era o inicio de uma nova era. Um aeroporto foi construído e servia, também, a cidade de Campo Belo dada a sua autonomia de operações.

Um horto florestal onde mudas de árvores eram distribuídas gratuitamente além de ensinamento aos agricultores como cultivar um reflorestamento.

A cidade foi toda demarcada, ruas foram alargadas e durante tempos uma grande máquina de terraplanagem veio fazer esse tipo de serviço.

Mas, falando desse tempo lembro-me de um fato curioso. Nessa época dada à precariedade do fornecimento de água, muitas pessoas tinham nos seus quintais uma cisterna. E como o fornecimento da água costumava brecar, quem possuía esses poços atendia os pedidos das pessoas.

Na casa de Dona Joana Gorda, na minha rua, quando faltava água da rua, o que não era raro, era um entra e sai danado de gente atrás de uma lata d’água. Ela possuía um poço que contava quase vinte metros de fundura. E não era muito fácil puxar lá de baixo um grande balde dependurado numa corda de bacalhau.

Com o inicio do calçamento da cidade, apareceram muitos operários vindos de fora especializados em cortar paralelepípedos. E entre esses operários estava o Balbino, cuja esposa era doente e não seria apta para tirar água de um poço tão fundo. E era ele quem ia com uma grande lata do tipo dessas de leiteiros, numa carrocinha buscar da água de Dona Joana Gorda.

Uma das primeiras próteses feitas pelo protético Osmar da Sota, no inicio de sua carreira na área odontológica, ainda como prático, foi a dentadura inferior do Balbino. Balbino, que era muito econômico teria feito a extração de dentes e a dentadura “de baixo” com o Osmar por causa do precinho camarada, tendo em vista que Osmar estava ainda conquistando a confiança da clientela.

Faziam apenas cinco dias que Balbino estava se sentindo como se estivesse com uma ferradura na boca. Tirava aquilo para dormir, para comer e mal conseguia beber. Dizia ele que não sabia nunca que uma dentadura pudesse causar tanto incômodo. O assunto era a dentadura ao redor do poço onde a maioria das mulheres aguardavam a sua vez para tirar a água.

Balbino, não conseguia rir, e ao falar havia de segurar a boca. Parece que estava sendo tomado por um cacoete, tendo em vista a presença daquele corpo estranho em sua boca.

Chegou a sua vez de baixar o balde. As mulheres em número de umas cinco falavam, riam e comentavam ao redor do poço aguardando a sua vez, quando Dona Marica, a mais escrupulosa da turma, a mais nojenta, pergunta:  “Será que tem sapo lá em baixo... Eu tenho um nojo desses bichos”? Quando uma disse: “Sapo e rã não sei não, mas perereca é os monte”. Foi um riso total, e Balbino que puxava o balde já na boca do poço usando as duas mãos riu e a sua dentadura pulou igual uma perereca para o fundo do poço.

A mulherada foi saindo uma atrás da outra e foram procurar outra fornecedora de água, bem longe do Balbino. E nunca mais pediram água para Dona Joana.

Balbino contratou um profissional que esgotou a cisterna de Dona Joana, recuperou a sua dentadura, mas a água daquele poço ficou prejudicada. Maria, a filha de Dona Joana era vista pegando água na bica comunitária e dizia que era para beber, porque era tratada.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos.