Total de visualizações de página

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A PREFEITURA DE CANDEIAS!


Desculpem-me se sou repetitivo                                  

A incompetência do Prefeito de Candeias é assustadora. Esse cidadão não poderia ter sido nem vereador do nosso município. A sua inabilidade; a sua falta de aptidão para o cargo; a sua falta de competência para entender a sua própria incompetência, como gestor dos destinos do município para o qual foi eleito, começa não só na administração do patrimônio público, como também na sua forma de encarar administração dos recursos humanos sob sua batuta. Falta respeito à dignidade dos servidores municipais de Candeias. 

Por que temos que nos comparar com outros municípios que estão se quebrando nas mãos de maus gestores, corruptos e incompetentes? Queremos sim ver o nosso município comparado aos municípios bem administrados e pagando salários em dia, e a casos até do 13º ter sido pago adiantado. É com esses que queremos ser comparados.

Esta é a maior prova de incompetência do prefeito de Candeias. Ao deixar atrasar os rendimentos dos servidores municipais, podemos ver a olho nu, e de forma lastimável, a sua forma de considerar o ser humano.

Ele tem demonstrado que administra os recursos humanos como administra um mata-burro de estrada.  É incapaz de entender o que é a vida de uma família que vive do seu trabalho recebendo parcos salários, da mesma fonte de onde ele recebe, com quase nenhum esforço, um salário e uma verba de representação, incompatíveis com a capacidade financeira do município. Isso porque ele e os vereadores, também, incompetentes, forjam os seus próprios salários.

O prefeito de Candeias tenta esconder o seu desleixo, a sua desordem administrativa, colocando a culpa unicamente na crise que assola o país. 

----- E não venha falar das outras prefeituras com salários atrasados ou também prejudicadas pela crise, senhor prefeito! Queremos ver o nosso município entre os bem administrados e não entre os falidos devido às más administrações.

A crise pode existir, mas antes de deixar de pagar os salários dos servidores muito tem o que cortar;  tem muito para equacionar e economizar, como os contratados apadrinhados; cabos eleitorais, que ganham salários exorbitantes, como secretários inoperantes, uma vez que não há recursos nem para ---- pregos de mata-burros ---- conforme disse o Presidente da Câmara numa reunião passada. Se não tem dinheiro para nada, resuma essas secretarias; diminua o seu salário e o do Vice Prefeito e proponha isso para os vereadores já que o senhor manda neles... Faça como outros prefeitos responsáveis estão fazendo em diversos pontos do país, como força tarefa...

O que o Prefeito de Candeias tem demonstrado para quem conhece outros municípios bem administrados, é, realmente, uma incompetência terrível.

O prefeito de Candeias não respeita os professores, cuja árdua missão é preparar o cidadão de amanhã. Um prefeito que se diz professor e que não respeita nem a sua própria classe.

O prefeito de Candeias fica em silêncio não presta contas corretamente, ele sabe que as suas desculpas são esfarrapadas e vêm simplesmente da sua incompetência. Ele mentiu para se eleger e agora mente para se manter no cargo. Ele usa o rádio para mentir, como se o povo de Candeias fosse cego, surdo e mudo.

Se ele recebeu o município em condições precárias por que não denuncia o ex-prefeito? Coloque as cartas na mesa senhor prefeito de Candeias. Respeite o servidor do qual você é o responsável. Pague-lhes os seus salários com dignidade, até hoje não viram a cor do 13º salário. Dê uma relida no seu programa de governo e dê também uma olhada no espelho e vê se tem algo para sentir.

Estará o prefeito de Candeias tentando adequar o fluxo de caixa da prefeitura para gastar nas eleições em detrimento dos sacrificados servidores do município? Só falta isso!

E os servidores municipais como ficarão com os seus credores? Eles estarão reprogramando as datas de pagamentos de suas contas de água, de luz, de armazém, de farmácia e as multas, os juros como ficam? Já imaginou alguém com o dinheiro para receber e passando pelo vexame de receber alguma cobrança e tomando dinheiro emprestado? E o comercio num grande percentual fomentado por esses trabalhadores? 

Isso é mais do que uma pouca vergonha. Uma injustiça covarde, num mundo onde o dinheiro é tudo. Isso é mais do que uma incompetência, isso é uma desonestidade administrativa. 

Elege-se cuspindo mentiras nos quatro cantos do município, vem depois deixa os servidores em debito, e ainda tem o descaramento de falar em crise. Crise só existe para os incompetentes. Nós temos diversos municípios que estão vivendo a crise do mesmo jeito, mas os servidores estão em dia com o recebimento de seus salários e receberam o 13° salário adiantado, por competência do prefeito e dos vereadores. Coisa que falta descaradamente em Candeias. 

Onde está a religião do prefeito de Candeias? Afinal ele a usou para se eleger. Isso não dói a sua consciência não prefeito?

Entende-se que a Administração Pública direta e indireta de qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios estão expressos no Art. 37 da Constituição Federal: O princípio da legalidade, impessoalidade, moralidade publicidade e da eficiência.

A crise que se instala no país não merece ser desculpa para atrasar os salários dos servidores municipais vindas de um prefeito que aos olhos de todos é um incompetente. E depois tem mais: É de sua obrigação, e o prefeito não pode nunca se esquecer disso de que na posição de prefeito do município, pagar em dia os servidores públicos é o mínimo que se pode esperar de uma Administração pública.

É de todo patente que salários atrasados trazem uma consequência desumana, diante da sobrevivência do servidor e da qualidade de vida. E isso é um desrespeito às leis. Isso é triste, é humilhante é deplorável.

O POVO DE CANDEIAS TEM QUE MUDAR ESSA SITUAÇÃO! SEM NOS ESQUECER QUE O PREFEITO ANTERIOR, TAMBÉM, É RESPONSÁVEL POR ESSA DESORDEM NO NOSSO MUNICÍPIO.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos.··.

sábado, 16 de janeiro de 2016

UMA GERAÇÃO VAI E OUTRA VEM!


Aniversariar é trocar de idade. É caminhar pela estrada da vida. É despedir-se aos poucos da juventude e ao mesmo tempo  buscar a velhice através de uma contagem de tempo. Quando jovens nunca imaginamos a morte. Os nossos amigos são encontrados em quaisquer esquinas, em quaisquer lugares. Se se estamos numa festa lá estão os nossos condiscípulos, os nossos contemporâneos. Mas o tempo vai retirando-nos do convívio comum e aquele que permanece torna-se isolado até que, também, caia no sumidouro da vida. Assim, é, portanto, a realidade diante do conflito de gerações.

O idoso não deve isolar-se dos jovens, mesmo sendo conservador do seu tempo. O jovem não pode ser visto como se pertencesse a uma ala progressista em oposição ao conservadorismo da maioria dos idosos.  O conflito de gerações é patente. Contudo, é de dever das gerações mais velhas respeitar o jovem com as suas ideias diferentes; com os seus princípios e comportamentos contraditórios. É um egoísmo o idoso querer que a geração jovem lhe faça copiar. Aquele que pensa assim ficará à margem. Se no âmago de uma família somos diferentes, imaginemos, então, como difere uma geração.

Envelhecer bem é combater o conflito de gerações; é procurar entender as inovações e buscar o jovem a coloca-lo no nosso lugar. Apoia-lo e com ele trocar ideias inovadoras. Envelhecer bem é saber que as gerações de hoje estão mais evoluídas, mais aperfeiçoadas, mais dinâmicas... Porque é assim que Deus nos quer na Obra da Sua Criação.

No transcorrer da minha vida tenho me deparado com pessoas que não gostam de envelhecer, mas não se adaptam aos jovens. Querem que o mundo continue sempre tal qual ele o conheceu.

É, deveras lamentável, que no seio da sociedade humana existam pessoas que apesar de inteligentes são demasiadamente egocêntricas, a ponto de querer alterar a data do seu aniversário.

Eu tive um amigo que não gostava de comemorar aniversário. Aniversário era como roubar-lhe a juventude. Queria o mundo somente para ele. Esse moço era o símbolo da infelicidade. Desejar-lhe um feliz aniversário, portanto, seria uma perda de tempo. Queria ser jovem mas não se adaptava à juventude.

Manias, todos nós as temos. É preciso entendê-las e aceita-las. Afinal, nem toda a pessoa que não gosta de trocar de idade, pode ser também alguém renovador e admirador do progresso do mundo.

Eu gosto de comemorar o meu aniversário. Mesmo estando certo de que estou entrando no trecho mais perigoso da estrada da minha vida, eu gosto de trafegar nela. Aniversariar é receber uma dose maior de carinho da família e dos amigos. Afinal, data de aniversário não é somente para contar mais um ano. É um momento de meditar no que fez, no que faz e no que fará. Não podemos deixar que a luta pela vida nos abate. E jamais esquecermos de que na mocidade aprendemos o que na velhice devemos compreender.

Portanto, desde que passei a me pertencer à terceira idade, e por ocasião dos dias de meu aniversário, eu procuro pensar como pensou Gandhi, " Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida". Portanto, amigos meus, digam para mim:

"Hoje, 16 de janeiro de 2016, é o primeiro dia do resto da sua vida!".

E eu direi, muito obrigado!

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos









segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O CALDEIRÃO DO DIABO!


                                               Foto apenas para ilustrar o texto.
Sô Joaquim era um velho bem asseado e vaidoso. Estatura baixa, cabelo liso e bem aparado. Cabeça redonda tipo coité. Sorriso disponível debaixo de um nariz adunco, tão perceptível capaz de competir com um urubu rei. Rosto liso. Quase não tinha barba, por isso, se esnobava de ser glabro. Dizia que cabelo só servia na cabeça e se fosse uma coisa boa para nascer no rosto, não nasceria nos buracos fedorentos do corpo.  

Porte sempre impecável. A impressão que se dava era de que tomava vários banhos por dia e trocava de roupa mais de uma vez. Assim como eu, era, também, do tempo do perfume Lancáster e da brilhantina Glostora. Pelo seu porte, ninguém, jamais o imaginaria como um cortador de paralelepípedo. E quando alguém notava o seu perfil zeloso, soltava aquele sorriso sorrateiro mostrando a dentadura com um dente frontal fundido em ouro, higienizada com sabão líquido e pasta de dentes; deixando-a tão polida como se tivesse saído do dentista naquela hora.

Era natural da cidade de Arcos e veio parar em Candeias, trazido para trabalhar nas pedreiras no fim da década de 50 quando se deu início ao calçamento da cidade na gestão do Prefeito Dr. José Pinto de Resende.

Nesse tempo, depois de ter desativada a sua fábrica de farinha de milho, Sebastião da Picidonha, promovia uns bailes no local da fábrica nos fins de semana, e nas épocas de carnaval. Esses pagodes eram abrilhantados pelo Sebastião com a sua caixa surda e a sua filha, Toninha, com o acordeão. O local tomou o nome de Caldeirão do diabo, isso porque nos carnavais, a cachaça fermentava os neurônios da moçada e era uma brigalhada danada.

Afinal, Sô joaquim era viúvo já há algum tempo e morava com a sua filha única, uma jovem de uns trinta anos mais ou menos, cheia de manias e preconceitos. Não saia de casa e não se entrosava com ninguém. Ele também, pouco saia, mas o tempo foi passando e sendo ainda um homem inteiro, sem dar uma molhada no pavio, foi ficando assim meio carente e resolveu dar uma pulada na cerca. Mostrar a sua vaidade, o seu vigor físico que andava fermentando a sua cabeça.

Contava uns cinquenta e tantos anos, e há muito não dava uma afogada no ganso. Mas na sua cabeça ainda fermentava o soro do sexo. Não podia ver uma mulher de nádegas avantajadas que os seus olhos de lagarto quase saiam fora. Seus espermas, com certeza, ainda davam conta de competir numa corrida. Ele era fanhoso, ou seja, falava pelo nariz. Não fosse esse pequeno problema Sô Joaquim seria um tipo concorrido no mercado feminino.

Um banho bem tomado... Cabelos penteados e bem aparados... Camisa branca de algodão alvejado... Sapatos bem engraxados... Cinto e sapatos combinados... Resolve, um dia, Sô Joaquim, fazer uma visita ao Caldeirão do Diabo, numa promoção de um baile que seria uma roda de boleros.

Chegando ao salão do Caldeirão do Diabo Sô Joaquim deu inicio à paquera de uma parceira. Quem já visitou o baile da terceira idade lá no salão do Rotary Club de Candeias pode imaginar.   O “nego” chega, olha para um lado, olha para o outro como se fosse um juiz de menor num baile de zona meretrícia.

E assim fez Sô Joaquim. Chegou e já fazendo uso dos seus olhos de jacaré viu logo uma “coroa” feita na medida para ele. Bunda grande, cabelos compridos e seios avantajados. Era o seu tipo preferido. Ela lhe deu chance e ele avançou o sinal, chamando-a para dançar o bolero que se iniciava. Tão logo as idas e vindas do bolero começaram, Sô Joaquim perguntou o nome da dama, que ao lhe dizer que se chamava Maria, deu para sentir que a dama portava um mau hálito terrível. E com seu narigão parecendo um falcão, dava para ser rigorosamente atento aos maus cheiros, e disse, então, com a sua voz de fanha:

---Pânreche que alguém peidôô aquim. Chê tá nothiano a cathinga?

E a sua parceira de dança não respondeu nada, e dai a pouco ele de novo:

---Ochê num tá chintino uma catchinga de pêdium muitim fedorentium nãoo?! Tá fedeenno munchoo...

---Não, não estou sentindo cheiro nenhum não...  Responde a mulher...

E a dança continuou, mas Sô Joaquim muito intrigado com o mau cheiro tornou a falar:

---Euu tô achanndo que foi oche qui peidon, tá fedenno aqui pertio... A catchinga tá acumpanhano noch...

E a mulher já puta da vida com aquele papo, fala alto:

Eu já te falei que não fui eu que peidei home, mas que diabo?

E Sô Joaquim assustado diz logo:

Nocha mãe agora ochê cagô! Cruch credho!

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos


sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

DAI A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR!


Eu sou deveras bairrista e conheço a história de Candeias como conheço a palma da minha mão. Contudo, não tenho pretensões politicas. Não tenho partido politico e a bem da verdade não tenho nem obrigação de votar. Já nas próximas eleições terei completado 70 anos de idade, o que me desobriga desse dever cívico. Mas, nem por isso deixarei de exercer o meu Direito de Estado Democrático, buscando a informação e a liberdade de expressão de acordo com a Constituição Federal.

Faço isso não por gostar de politica, mas por amar o município onde eu nasci --- Candeias, do meu Estado de Minas Gerais ---- e do meu querido Brasil. Portanto, de minha parte, entendo que o legítimo dever cívico é se postar como um defensor da boa politica; da verdade; da dignidade, porque é de todo patente que o poder emana do povo, portanto, o povo brasileiro é soberano e com isso somos iguais perante a lei. Os governantes são gestores públicos autorizados pelo voto popular. Não são proprietários do patrimônio público como muitos imaginam. É, contudo, obrigação do povo fiscalizar e acompanhar os seus governantes.

Não vamos admitir mentiras, enganações, demagogias, corrupções e outros desmandos dentro do nosso município. Falo isso como uma proposta de ativista social, para que não permitamos mais as mentiras que houve nas últimas eleições em Candeias, como fábrica de calçados montada e desmontada como trapaça politica. Isso sem falar das mentiras, das enganações do candidato a prefeito e até de deputado mama-voto que teve a audácia de vir promover pesquisa no nosso município e Deus lá sabe que tipo de pesquisa foi essa.

Nos dias atuais tenho visto com desgosto, com desconfiança, com tristeza a politica exercida pelos atuais vereadores e o prefeito de Candeias. Uma politica que não respeita a história de Candeias, e que promete um futuro de mentiras. Portanto, é um direito de qualquer cidadão a busca de informação.

Diante do exposto, venho comentar através deste veículo de comunicação sobre uma verba de R$350.000,00 (Trezentos e cinquenta mil reais) que veio para a Educação de Candeias, destinada a Escola Padre Américo. Verba esta oriunda do Programa Escola Sustentável.

Evidentemente houve por parte da direção da Escola um pedido e esse pedido pode ter sido estendido a diversos políticos ou candidatos de facções politicas diferentes.  A direção da Escola como todo o povo candeense está feliz tendo em vista ter uma escola do nosso município recebido uma verba expressiva como esta.

Ora, como estamos acostumados apenas com promessas e ninharias em épocas de eleição, é de direito de qualquer cidadão a informação de qual o deputado teria feito a “INDICAÇÃO”.

Como um cidadão Candeense e interessado nas coisas de Candeias; vendo como a politica em Candeias encontra-se sem moral na boca do povo; o município sem dinheiro até para comprar pregos de mata-burros (informação do Presidente da Câmara) e outras coisinhas ínfimas sem providência por parte da prefeitura, isso sem falar de coisas mais sérias, eu venho acompanhando, o desmazelo, o desleixo que se encontra o nosso município.

Vendo através da internet e ouvindo o comentário popular, conclui que duas facções politicas diferentes estariam se promovendo politicamente com o benefício desta verba. Ora, isso nos dá a entender tratar-se de algo incomum em politica partidária; opositores se unindo para ganhar o privilégio do agradecimento do povo? Há, portanto um desencontro de qual o deputado que realmente fez a INDICAÇÃO. Para mim não interessa se foi A ou se foi B, eu só quero saber da verdade porque estou farto de tanta mentira na politica de Candeias. E procurei saber...

Não se questiona aqui a Escola Padre Américo, e nem a atuação administrativa da escola. Questiona-se apenas, quem verdadeiramente está ajudando a EDUCAÇÃO DE CANDEIAS. Eu como parte do povo candeense quero saber quem está com a verdade quando dizem de um lado que a indicação dessa verba, foi da deputada, Geisa Teixeira, cujo pedido partiu do pretenso candidato a prefeito nas próximas eleições, Sr. Ênio Bonaccorsi, ou se foi do deputado Duarte Bechir, com a participação do Vereador Rodrigo Lamounier e seus correligionários.

Eu quero apenas saber quem foi realmente que promoveu esse benefício para o município a fim de deixar isso bem claro para que o nosso povo, na próxima eleição possa ter maior consciência ao colocar o voto nas urnas. 

Se se foi por parte do Sr. Ênio Bonaccorsi com a sua Deputada, vamos lhes agradecer... Se for por parte do Deputado Duarte Bechir, do Vereador Rodrigo, vamos fazer o mesmo. Eu não tenho lado politico o meu lado é o povo de Candeias. Sou um cidadão comum na busca dos seus direitos constitucionais, como eleitor de Candeias.

O meu intento é deixar as coisas claras, para que os mentirosos que estão cevados na politica candeense sejam um tanto mais retraídos e fiscalizados, tudo em prol da democracia com dignidade.

Eu pergunto: O que se dá a entender quando vimos uma foto obscura, com duas facções politicas diferentes, se dizendo serem os mentores da verba de $ 350.000,00 destinados à Escola Padre Américo?

Vejo com naturalidade a presença da Diretora da Escola Marilia Sidney na foto. Sei que os políticos cobram agradecimento e gostam de promoção. Mas não vi com naturalidade as duas facções politicas unidas na mesma foto. Ou seja, o Sr. Ênio Bonaccorsi pretenso candidato a prefeito nas próximas eleições e o vereador Sr. Rodrigo Lamounier, ambos de partidos opositores.

Busquei saber, se teriam eles feito um acordo politico para as próximas eleições?  Afinal as coligações antes de eleições são legítimas e democráticas. E fui informado de que não havia esse acordo entre eles. A verdade é que a facção que apoia o Sr. Ênio diz que foi da deputada apoiada por ele, a Sra. Geisa Teixeira, que teria feito a indicação para a verba. E do outro lado, o Sr. Rodrigo, apoiador do Deputado Duarte Bechir e seus correligionários se apresentando como intermediários da INDICAÇÃO. A coisa estava em termos de “puxa e estica” na boca do povo --- fui eu --- não, fui eu-- E o que é isso? Um fato que precisa ser esclarecido!...

E eu pergunto aqui aos meus amigos de Candeias: Não daria para entender que ai poderia estar o oportunismo de alguém? Tanto do Sr. Ênio quanto do Sr. Rodrigo? Afinal eles são, pelo menos, até ao momento, opositores. Não estão coligados para as próximas eleições. Se o tivessem eu não estaria aqui comentando isso.

Diante disso procurei o Sr. Ênio Bonaccorsi que me mostrou o pedido dele oficialmente à Deputada Geisa Teixeira e a comunicação da liberação da verba pelo Governador Fernando Pimentel, assinada em primeira via pelo Sr. Secretário de Estado do Governo Pimentel, Dr. Odair Cunha. Provas documentais que não deixam nenhuma dúvida de que a INDICAÇÃO foi realmente da Deputada Geisa Teixeira.

Mas, como ter as coisas bem claras é preciso que sejam ouvidas as duas partes, fui ao encontro do Sr. Jucão, representante do Deputado Duarte, e sendo o Sr. Jucão uma pessoa de minha inteira confiança, quando ele mesmo disse-me que não gosta de coisas enroladas e que buscaria a informação, naquele mesmo dia, junto ao Deputado Duarte Bechir; para saber dele se houve realmente alguma participação sua na obtenção dessa verba para o nosso município. Disse-me ainda, que posteriormente me informaria, inclusive anotou o meu telefone. Eu estou aguardando esta confirmação do Sr. Jucão.

Contudo, o Sr. Jucão disse-me que me adiantaria que 90% de certeza ele daria que foi o Sr. Ênio Bonaccorsi junto a Deputada Geisa Teixeira, os autores da concessão dessa boa verba para a Educação de Candeias.

Enquanto aguardo uma confirmação do Sr. Jucão, praticamente desnecessária depois do que ele me disse, eu posso tirar algumas conclusões práticas.

Sendo o Deputado Duarte, um deputado majoritário em Candeias, ele teria recebido uma comunicação em termos éticos sobre o benefício, mas isso não significa que ele tenha sido o mentor ou participante do processo.  Não tendo ele, portanto, nada a ver com a referida verba.

Até provas em contrário por parte dos correligionários do Deputado Duarte Bechir, Está provado que a verba foi conseguida para a Educação de Candeias, através da Deputada Geisa Teixeira, solicitada pelo Sr. Ênio Bonaccorsi, seu apoiador.

Não temos nada contra o Deputado Duarte Bechir e nem contra o Vereador Rodrigo, queremos apenas a verdade e o fim das mentiras e enganações que vêm ocorrendo em Candeias. Eu acho que o povo de Candeias precisa votar em quem faz antes, porque depois eles somem.

Pois então, que os apoiadores do Deputado Duarte Bechir cobrem dele uma INDICAÇÃO de uma boa verba para o nosso hospital que está pedindo socorro. E nós vamos acompanhar. Agora de promessas nós Candeenses estamos enfarados, cheios, entojados, e cansados.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos.