Total de visualizações de página

quinta-feira, 13 de julho de 2017

CANDEIAS MG TEM OS POLITICOS QUE MERECE.


De quando em quando, algum amigo conterrâneo meu me pergunta por qual motivo eu quase não falo mais da política de Candeias. E eu respondo que fui vencido pela miopia política dos candidatos eleitos ------ pelos incompetentes, despreparados e sugadores que fazem da politica candeense o seu ramo de vida, deixando com que o município fique às traças.

Fui vencido, também, pela maior parte dos eleitores candeenses que me fizeram ver nas ultimas eleições que a incompetência, a ignorância, a falta de responsabilidade com o município não estão somente com os políticos, estão também, com os eleitores que votaram em sua maioria nos mesmos incompetentes, nos mesmos sugadores do município, enfim, praticamente não trocaram nada, fazendo continuar o mesmo doce e os mesmos mosquitos. Isso significa que está tudo bem. Portanto, o que teria eu para falar? Nada!

As últimas eleições passadas mostraram que o povo de Candeias está muito satisfeito com as oligarquias no executivo e os sugadores do legislativo.

Os eleitores que os elegeram a meu ver sofrem de uma miopia política e não estão nem um pouco preocupados com o futuro do município. Estão sim, preocupados consigo mesmos e envolvidos em falsas promessas que nunca acontecem.

Mas enfim, se estão satisfeitos vendo o município de Candeias tão deteriorado, humilhado, desprestigiado, rodeado por deputados do baixo clero... Que continue assim, afinal, o Estado de Direito Democrático é isso.

É pena que os eleitores que errado votam, não reconhecem que são moradores do município e estão cavando um buraco para si e para os seus descendentes.

Nas próximas eleições tudo continua igual, afinal, a politica de Candeias tem como soberania uma maioria de eleitores irresponsáveis, donde muitos vendem votos e outros votam em troca de interesses próprios. Assim, com certeza, continuará caminhando para o fundo, sem que os seus filhos possam almejar um futuro melhor. Filhos que terão de buscar fora, em outros municípios, a sua convivência, a sua sobrevivência. Isso porque não terão sequer a cidadania candeense, pois, lhes faltará um hospital para que possam nascer como cidadãos candeenses, tendo em seus registros a naturalidade de Campo Belo ou Formiga, o que já vem acontecendo.

Aquele candeense que já andou vendendo o voto, ou votando de qualquer jeito, sem responsabilidade com o futuro, está prejudicando a sua própria família, a sua própria raça, fazendo com que amanhã, venha, como muitas famílias terem a sua extinção. Afinal, quantas famílias tiveram que ir embora e nunca mais voltaram por falta de recurso e atraso da cidade.

Se você anda dizendo que ama Candeias e terá votado nos políticos que estão no poder, pode crer, você não ama Candeias! Politico tem que ser revezado, tem que ser trocado, tem que ser mandado embora quando não trabalha direito. E em Candeias isso não acontece. Em Candeias o fato do voto ser secreto não influencia nada.

Não existem crises para um bom administrador, seja público ou privado. Existem municípios que estão prosperando com a crise que ai está. Se buscarmos nas informações veremos que muitos municípios estão melhores com a crise que assola o país, enquanto os municípios mal administrados preferem jogar para a crise as suas incompetências.

A politica virou uma panela: Aquele que entra não denuncia os desmandos do anterior, isso porque mesmo sendo adversários, são oligárquicos e têm os seus rabos presos uns aos outros.

Vejamos uma cidade bem administrada e uma cidade mal administrada, fundadas no mesmo mês ---- pelo mesmo decreto 148 de 17 de dezembro de 1938: Candeias e Lagoa da Prata.

CANDEIAS E LAGOA DA PRATA distante uma da outra a 110 km.

População de Candeias.........  14.592 (Censo 2010)
População de L. da Prata......  45.984 (Censo 2010)
Área do Munic. Candeias.....720.650 km. 2
Área di Munic. L. da Prata.. 639.632 km. 2
PIB de Candeias...................122.520.310
PIB de L. da Prata................585.917.647
IDH-M de Candeias........0,678
IDH-M DE L. da Prata....0,732

Será que os candeenses já viram alguns dos politicos de Candeias discutirem esses dados? Será que os vereadores sabem o que é IDH-M e estão vendo que Camacho e Cristais, encostadas em Candeias tem vida melhor que os candeenses? Será que já viram que a informação da WIKIPÉDIA sobre Candeias mente nesse dado? 

Enfim, cada povo tem os governantes que merecem. E com certeza a maior parte dos eleitores candeenses é irresponsável e olham os seus próprios interesses e se misturam com os políticos incompetentes, o que não acontece com cidades prósperas como Lagoa da Prata, onde o eleitorado por várias vezes fez uma faxina na Câmara Municipal e não há oligarquia. Eleitor que vive no cabresto de uma oligarquia, como muitos em Candeias, estão fadados a viver num município atrasado fazendo parte da retaguarda da prosperidade. É lamentável.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

POVO, POVINHO E POVÃO.


A política brasileira virou um chiqueiro de porcos; um cocho de lavagem; um antro de ladrões; um meio fétido e imoral.  Os lideres da política e os políticos brasileiros em quase sua totalidade, representam a imoralidade brasileira aqui dentro e fora do país.

Eles roubam não apenas o suficiente para se enriquecerem, mas o bastante para esnobar uma vida cheia de gastos e de luxo, o povo brasileiro não tem segurança, não tem saúde e nem educação.

Mas afinal quem é o culpado dessa escarafunchada imoralidade na política brasileira?  

Somos nós, os eleitores brasileiros meus amigos, que não temos cuidado ao votar, que votamos de novo nos candidatos já repassados com comprovada incompetência e desonestidade.

---Nós que somos um povo ignorante, despreparado para votar e que acredita na conversa fiada dessa bandidagem que lá está há anos preocupada não com o progresso da nação, mas sim com a sua reeleição.

--- Nós, que entre nós, temos também os eleitores bandidos, que vendem os seus votos por migalhas para os bandidos compradores.

--- Nós, que em nossa maioria não entendemos e nem buscamos o entendimento do que seja a política e esquecemos de que é no município onde nascem os políticos.

---- Nós que colocamos o nosso município nas mãos de uma oligarquia que vai não somente de avô para pai e de pai para filho, mas sim acompanhando durante, anos e anos, uma árvore genealógica familiar transformando o modelo imposto pela nossa constituição numa monarquia hereditária ou num curral particular.

---Nós, que somos um povo politicamente honesto, inocente e ignorante em sua minoria a pensar que o voto é um objeto de troca. E uma maioria ladra, safada, que  só pensa em levar vantagem em detrimento dos mais pobres. Isso porque o rico tem o que ser roubado sem ser prejudicado, mas o pobre é roubado na sua saúde, na sua alimentação, na segurança e na educação.

---Nós, um povo que vota de novo nos mesmos candidatos cujos nomes estiveram na berlinda, focados da imoralidade e da incompetência, concedendo-lhes uma reeleição que de antemão pode ser vista que não mudará nada para melhor.

---Nós, que não votamos no candidato competente, mas que votamos no compadre; no vizinho; no amigo; no afilhado; no chefe; ou seja, naquele bandido que nos compra o voto, transformando-nos, também em bandidos; nós que estamos de pleno acordo com que o nosso município vá para o buraco, por ser patente aos olhos até dos mais ignorantes que o candidato trazido pelos nossos vereadores ou prefeito do município está preocupado apenas em angariar votos com conversa fiada em épocas de eleição e comprar votos porque dinheiro para isso não lhes falta. 

Portanto, O político não rouba o rico. Ele rouba o pobre. O rico pode errar o alvo do seu voto, mas o pobre não. O pobre que vende o voto está de pleno acordo com a metáfora do Sr. Luiz Inácio Lula da Silva: ---- “O povo vota é com o estômago e não com a cabeça”. ---- O que convertido dá para ver que a comunidade brasileira está formada por uma nação faminta distribuída num povo, um povinho e um povão de onde saem os corruptos. 

O Brasil foi descoberto por acaso pelos portugueses. E por acaso vamos vivendo como uma nau sem rumo, sem saber o que vem pela frente.

Armando Melo de Castro

Candeias MG Casos e Acasos

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O MEU AMIGO WANDER BONACCORSI.

                                                                   Wandinho e sua filha Lilian.
Depois que minha mãe transferiu sua residência para Poços de Caldas, eu tenho visitado pouco a nossa Candeias. Semana passada, contudo, eu lá estive levando minha mãe, para matar saudade. Afinal, quem ama a sua terra natal sai dela, mas ela não sai de quem a deixa.

Nessa rápida oportunidade passo como sempre passei à frente da casa do meu amigo Wander Bonaccorsi, o meu querido amigo desde a minha infância, para mim Wandinho do Américo. 

Eu ainda não havia ido à Candeias depois da morte desse meu grande amigo. E sentir a sua ausência foi para mim um triste momento. ----- Quantas e quantas vezes sendo a sua rua o meu caminho, eu passava e o via quando quase sempre nos deparávamos. 

Wandinho amava Candeias onde nasceu e viveu; ai fez a sua vida, ai criou a sua família com respeito e dignidade. Como político participou da administração de Candeias quando eleito Vice Prefeito do Prefeito Francisco Coelho. Empresário e fazendeiro bem sucedido e honesto nos seus negócios. Bom pai e bom filho e bom amigo.

Lembro-me de vê-lo presenteando o Sr. Américo Bonaccorsi, seu pai, que era músico, com um lindo saxofone num de seus aniversários.  A alegria que Wandinho causou ao seu pai com este presente, causou em mim a captação de um exemplo, quando eu, vinte e cinco anos mais tarde, quis imitar o gesto presenteando o meu pai com um pistão.

Wandinho! Grande amigo dos amigos entre os quais eu sempre estive. Amigo que só dava bons exemplos e quando se desenvolvia junto dele um diálogo, era sempre construtivo, mesmo porque era ele um homem vivido e experiente.

A última vez em que estivemos juntos foi à porta do posto de gasolina do João do Nestor, e ali conversamos sobre os mais diversos assuntos. Eu não imaginava que naquele momento acontecia a despedida definitiva de uma grande amizade.

Mas o que falar diante de uma perda irreparável de um amigo, nascido sob o mesmo céu, o mesmo sol, bebendo da mesma água; filhos da mesma terra, batizados na mesma pia batismal? ---- O que falar desse amigo sempre disponível com a sua palavra amiga, as suas ideias de homem inteligente, honrado e pai de família respeitado? O que falar?

Muito a falar teríamos sobre Wandinho Bonaccorsi. Todavia, o espaço aqui seria pouco. Assim eu coloco a sua imagem bem viva nas minhas lembranças para que entre pelo meu cérebro, desça ao meu coração e ali permaneça.

Mesmo sob as notícias de que Wandinho vinha com a saúde precária, eu jamais pude imagina-lo morto. Parece-me que era imortal; necessário demais e forte para não morrer; mas chegou a hora designada por Deus quando o levou aos 83 anos. Ai recebo a notícia de que havia partido e eu me senti muito triste. ----- Wandinho não está mais entre nós ---- ele partiu deixando o vazio da sua ausência numa Candeias mais pobre e mais triste.

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

O RETRATO DA MORTE

                                                  Foto para ilustrar o texto
Navegando pelas profundezas da minha memória, encontro-me com o dia em que tive o primeiro contato com a morte. Com certeza, foi o pior dia da minha alegre infância, eleito pelo meu coração. Até então, eu não teria conhecido e nem tido a noção do que seria a morte. Eram tantas as coisas boas para pensar que não me sobrara tempo para saber disso. Não aflorara, ainda, a minha curiosidade. E, felizmente, não me teria sido dada essa triste oportunidade.

Meu pai, nesse tempo, teria transferido-se, juntamente com toda a família, para a comunidade dos Arrudas, abrindo em nossa residência, uma pequena venda. ---- Dois meses depois, chega um mensageiro trazendo a triste notícia da morte fulminante de meu avô.

Tenho nítido na lembrança o momento quando cheguei a sua casa, nas proximidades da Praça Antônio Furtado, onde hoje se situa o Centro Espírita Bezerra de Menezes. Foi ele o meu avô materno, Calito, o primeiro morto que eu vi, falecido na década de 50 quando eu contava sete anos de idade.

Posso ouvir, através da memória, o momento de desespero de minha mãe abraçando o corpo sem vida de seu pai. Portanto, este foi o primeiro impacto que tive quando soube que o meu avô seria enterrado em buraco fundo e eu, que tanto o amava, nunca mais o veria.

Naquele cenário fúnebre, eu via o meu queridíssimo avô inerte, dentro de um caixão roxo, sobre uma mesa. Vestido com um terno amarelado com o qual eu sempre o via indo à missa aos domingos. Tinha os pés unidos, amarrados com um lenço branco. Outro lenço rodeava o seu rosto e prendia o queixo para mantê-lo com a boca fechada. Na cabeceira, sobre duas cadeiras, queimavam duas velas amarelas fazendo arder um cheiro de cera que se misturava ao perfume das flores contidas em uma jarra próxima. Minha avó e minha mãe assentadas, ao lado do caixão, derramavam as suas lágrimas enquanto recebiam os pêsames das pessoas que chegavam. E eu, ali, absorto. Talvez, fosse a primeira vez que a tristeza mexia comigo.

No corredor, o canário-do-reino cantarolava como se a casa estivesse em festa. Canário que, todas as manhãs, meu avô supria de alpiste, água, ovo cozido e uma pequena folha de couve. Então, perguntei a Deus: agora, quem vai dar de comer ao canário que hoje está cantando tanto? Talvez, esteja até pedindo comida e se sentindo meio esquecido...

E as minhas perguntas para Deus continuavam: E as galinhas? Quem irá tratá-las? Quem quebrará os cupins do fundo do quintal para lhes alegrar o apetite? E a minha cabritinha, criada no quintal, e que fora um presente seu comprado do Dionísio Passatempo, quem lhe dará capim para lhe matar a fome? E as minhas balas? Minhas bolachas? E a minha mãe a quem irá tomar a bênção?

Assim, naquele conflito emocional, nunca sentido antes, perguntei a mim mesmo obtendo logo a resposta: E minha avó? Quem lhe comprará comida para sua sobrevivência? Automaticamente, respondi: é meu pai. Teria que ser meu pai! E quem dormirá com ela? Seria eu, teria que ser eu porque ela não terá ninguém e nós moramos na roça e isso, felizmente, aconteceu. Durante anos, eu fui a sua companhia.

Eu tinha sete anos de idade e nunca havia pensado que o meu avô era velho e que me deixaria daquele jeito indo para um buraco fundo ao ser enterrado, assim, tão de repente! Aquilo era a morte. Uma coisa que eu não conhecia. Uma ladra que nos rouba as pessoas que amamos. A morte que dói sendo uma dor sem nome.

É chegada a hora da saída do enterro. Minha avó e minha mãe, aos prantos, vendo fechar o caixão, enquanto alguém apagava as duas velas. Aquela porção de gente levando o meu avô, dentro daquele caixão roxo. As pessoas se revezando no transporte do caixão, enquanto outros rezavam o terço. Eu gostaria tanto de poder, também, carregar o meu avô, mas eu era uma criança.

Segurando a mão do meu pai ia ali assustado, sentindo algo que nunca havia sentido. Eu buscava uma explicação através de perguntas que não tinham respostas. Por que morrer? Por que ser enterrado? Ao chegar ao cemitério assisti dois homens colocando o caixão dentro de um buraco fundo. Com enxada e pá, foram cobrindo, para sempre, alguém que era tão importante para mim.

Aquele foi o primeiro retrato da morte que ficou cravado no meu cérebro inocente. Eu estive triste, mas, não chorei. Naquele tempo, eu não tinha, ainda, lágrimas para chorar.

Algum tempo depois, acompanhando a minha avó, fomos ao cemitério rezar na cova do meu avô. Chamaram-me à atenção os túmulos. O Cemitério São Francisco tinha poucos túmulos e a maior parte eram covas. Perguntei a minha avó o que eram aquelas casinhas e ela me disse: ali se guardam os ricos.

Assim, pela primeira vez, em minha vida, eu tive vontade de ser rico, apenas para poder ver o meu avô guardado e não enterrado.

Armando Melo de Castro

candeiasmg.blogspot.com
Candeias – Minas Gerais