Total de visualizações de página

sexta-feira, 19 de junho de 2009

PASSARINHO, UM ÍDOLO CANDEENSE.


Passarinho

Hoje o nosso Blog Candeias MG Casos e Acasos estará homenageando uma grande figura candeense. Trata-se do Sr. José Bárbara Filho. Poucas pessoas saberão de quem se trata esse nome, porque ele sempre foi conhecido por um carinhoso apelido, pelo qual grande parte da população de Candeias poderá identifica-lo. Trata-se do nosso querido conterrâneo já falecido, “Passarinho”.

José Bárbara Filho, o Passarinho, nasceu em Candeias no dia 23 de setembro de 1923, na Rua José Furtado, no Bairro da Gruta. Filho caçula de uma prole de três irmãos. Seus pais José Bárbara e Dona Maria Felícia de Jesus.

Casado em 1944, com Dona Lázara Ferreira da Silva, falecida. Pai de oito filhos são eles, Geraldo, Juracy, Salvador, Amador, José Eustáquio, Antônio Belchior, Vanessa e Keny. Esta ultima é filha adotiva, porém, foi criada com o mesmo carinho dispensado aos outros. Pai de família exemplar. Cidadão extremamente humilde, sempre foi respeitado por seus amigos e seus pares. Bom filho. Herdou do pai não somente o nome, mas, também, a força do trabalho, o espírito festivo e a simplicidade.

Desde criança lutou pela vida de forma honesta. Sempre dedicado ao trabalho rural. Como lavrador trabalhou para os senhores, Jose Ribeiro, João Sidney, Nestor Lamounier, João Bernardo e muitos outros. Cidadão humilde e discreto, porém, a sua habilidade no trato com as pessoas o fez merecedor de muitos amigos, tanto do seu meio como, também, do meio elitizado.
Desde criança gostava de esporte e cresceu gostando. Durante muitos anos foi jogador de futebol, sendo um craque muito solicitado e admirado no seu tempo.

Na década de 30, Antônio Cacheiro, um jovem deficiente físico que gostava muito de futebol, acompanhava, sempre, todas as tardes, as peladas da garotada no antigo Estádio do Rio Branco Esporte clube, que ficava pouco abaixo da loja do Vicente Vilela. Numa dessas vezes, José Bárbara Filho se encontrava no gol e não deixou passar nada, deixando aquele torcedor solitário encantado com a atuação daquele menino feliz e sorridente voando feito um passarinho dentro do gol, defendendo a sua cidadela. “Foi quando Antônio Cacheiro eufórico disse: ‘‘‘Esse neguinho é um passarinho, ele voa”. Daí pra frente ninguém nunca mais lhe chamou de Zé. Todos passaram a lhe tratar de Passarinho.

Passarinho que sempre gostou de esporte desde criança vestiu a camisa do Rio branco Esporte Clube, e foi um dos seus melhores jogadores.

Nos torneios disputados pelo Rio Branco, Passarinho foi, por diversas vezes, o artilheiro. Nunca abandonou o seu querido “Ranca Toco” uma denominação pejorativa que os adversários criaram para o Rio Branco e que viera a ser recebida como que carinhosa pela torcida Rio-branquense.

Fora de Candeias, Passarinho atuou no Estrelense Esporte Clube, da cidade de Estrela do Indaiá. MG. Foi por lá um jogador muito aplaudido. Por várias vezes os times de Campo Belo vinham busca-lo para enxerto dos seus times.

Dentre as diversas histórias vividas durante uma partida de futebol, Passarinho contava uma do Cotó, de quando foi jogador do Estrelense. Cotó era um elemento alto, corpulento e muito esperto dentro de campo. Certa vez numa disputa acirrada, Cotó que não possuía o antebraço e nem a mão, vendo que o juiz não apitava falta de mão para ele, passou a usar mais o braço do que os pés para fazer gol. E ai o pau comeu.

Passarinho atuou, também, como profissional da terceira divisão, no Cruzeiro Esporte Clube, da cidade de Luz - MG. Seu nome consta nos anais daquele time.

Participou, ainda, do Campos-Altense Futebol Clube, durante os torneios regionais que esse participava.

Em Candeias foi dedicado exclusivamente ao Rio Branco Esporte Clube e entre seus muitos amigos e colegas de time, podemos citar alguns: Aurélio Vilela, Paulo Vilela, Balofo, Belchior, Dedé do Alonso, Edmundo Simões, Trajano Carrilho, Lázaro, Guinho da Zenóbia, Joaquim Passatempo, Antônio do Orcilino, João Delminda, Dite, Benevides, Quintino, Luizinho do Américo, Zizi Barreto, Antônio Capanguinha, Zé Roxo e muitos outros.

Nos dias atuais Passarinho faria muita inveja a jogadores de times famosos. É que naquele tempo o jogador de futebol não tinha essa conotação de hoje.

Em outra área Passarinho teve, também, uma das participações mais efusivas de sua vida. Trata-se da Festa do Congado, ou seja, a Festa do Rosário. Começou a participar desta festa aos sete anos de idade dançando no terno do Moçambique. Aos dezesseis anos era a figura principal do terno de vilão, aos oitenta e cinco anos era o Capitão Mor da festa, um cargo hereditário lhe deixado pelo seu pai. Trata-se de um dos principais responsáveis pela organização do evento.

Outra atividade social de Passarinho foi nas folias de Reis. Dono de uma voz muito afinada cantava no contra, melhor dizendo, fazia a terceira voz no conjunto. Sempre participava dos torneios de folia, de Campos Altos e Campo Belo.

Passarinho tinha grande talento musical, e sua veia artística lhe propunha a execução de diversos instrumentos: acordeom, violão, cavaquinho e chocalho. No passado foi grande seresteiro. Participou como cantor do Conjunto do Abelino Salviano. Também como cantor participou do Jazz Tiro e Queda do Sr. Américo Bonaccorsi.

Em 2001 foi agraciado com o diploma de colaborador do carnaval de candeias, como cantor, por fazer as pessoas felizes. Festa essa promovida pela Prefeitura Municipal de Candeias.

O neguinho que voava no gol feito um passarinho, hoje não voa mais... Mas voa no pensamento de quem o conheceu, as suas vitórias.
O Passarinho que dançava junto ao terno de vilão, hoje não dança mais. Contudo, ele sempre estará na lembrança dos jovens que dançam hoje e foram por ele orientados e disciplinados. 

Passarinho residia à Rua Cel. João Afonso, 203, bem defronte onde outrora era o estádio do Rio Branco Esporte Clube. Ali viveu durante muitos anos e passou os últimos dias de sua vida.

Na estrada da felicidade o único tropeço existente é a tristeza. A vida de José Bárbara Filho, o nosso querido Passarinho, foi uma bela canção composta para ser cantada e ouvida por aqueles que, como ele, sabia fazer vista grossa para a tristeza.

Obrigado meu grande amigo Passarinho!... Obrigado por você ter vivido uma vida exemplar... Obrigado por mostrar aos tristes que a alegria está ao alcance de todos nós... Basta fazer uma forcinha.

Passarinho faleceu no ano de 2013 aos 88 anos de idade.

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos











3 comentários:

Flavia disse...

Gostaria de parabenizar a radio e Arnaldo por este espaço cultural e ressaltar como é importante a valorização da historia de pessoas simples mas que abrilhantaram e ajudaram para o crescimento desta cidade.
Como e bom fazer parte de sua vida ; ilustre sr.Jose Barbara sinto muito orgulho de vocÊ e da sua historia.
Obrigado a todos ...
Um um grande abraço...
Te AMO MUITO VOVÔ PASSARINHO.
SUA NETA "FLAVINHA"
FLÁVIA REIS DA SILVA.

Anônimo disse...

valeu Armando... Realmente o passarinho é um personagem de grande destaque na historia de candeias... Antonio Belchior

Anônimo disse...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático BETO CARRERO WORLD em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
VIRGINIA DE MAURO a LULLY é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS.