Total de visualizações de página

segunda-feira, 2 de junho de 2008

SEBASTIÃO QUIRINO: UM TALENTO SEM ALENTO!

                                                             Foto Clara Borges
 Recebo de meu amigo Nico do Zinho Borges, candeense de boa gema e linhagem tradicional, a lembrança do nome de um companheiro meu, que já se encontra no céu das rosas entre nuvens sem tempestade:Tião Quirino, como era mais conhecido.

Tião foi um bom rapaz. Estatura mediana, dentuço, rosto rústico, quase lampinho, tinha o hábito de gesticular usando a cabeça para confirmar as suas próprias palavras. Não era dado ao trabalho convencional; sobrevivia com o que lhe rendia pequenos ganhos avulsos, como pintor letrista de faixas, cartazes, cartonagens, etc.

Parece-me que jamais teve um emprego.  Se me não engano, teria trabalhado, quando ainda garotão, unicamente na fábrica de fogos do Belmiro Costa, então situada à Rua do Cemitério, numa grande casa com diversas portas azuis edificadas ali onde se encontra a propriedade do Sr. Alexandro de Paiva.

Tião era muito inteligente a exemplo de toda a família Quirino. Certa vez fez um boneco de judas para a festa do sábado de aleluia. (sábado santo)

Numa época de São João, fez, também, um grande balão que teria gasto mais de uma hora para enchê-lo de fumaça, em meio a uma grande algazarra de meninos dos quais entre eles, eu estava lá, numa aglomeração junto ao chafariz do Sansão.

Eu acho que nunca vi alguém mais feliz do que quando vi Tião Quirino olhando aquele lindo balão de papel de seda, policromado, subindo aos céus todo iluminado e deixando a terra como se estivesse indo para perto de Deus.

Tião Quirino nasceu, viveu e morreu em Candeias... Mas com certeza nasceu, viveu e morreu no lugar errado. Candeias lhe deu o berço, mas não lhe deu condições de sobreviver com dignidade. Seus ideais trafegavam em caminhos pouco transitados. Sua vida foi um barco numa tempestade; sabia que iria naufragar, mas não sabia em que ponto da viagem.

Revirando os fundos das gavetas de minha memória, consigo estar junto de Sebastião Quirino falando-me de seus planos e de seus ideais. Planos e ideais que nunca, nem por perto, foram atingidos. Às vezes era visto como um visionário... Um utopista. Mas, a bem da verdade, parecia tratar-se de um espírito intelectual encarnado no corpo de um peão bem rude.

A televisão chegou ao Brasil no início da década de cinqüenta e só chegou a Candeias, ainda bastante precária, com poucos aparelhos e uma imagem muito ruim já quase no fim da década de sessenta. Até então as novelas existiam através do rádio e das revistas. As fotonovelas faziam o grande sucesso com as mulheres. Era, portanto, a - era - das revistas. Trocavam-se umas por outras no sentindo de variarem de histórias.

Sebastião Quirino escreveu uma fotonovela. Improvisou uma revista, desenhou quadro por quadro e mandou para uma editora e não obteve nenhuma resposta. Eu li a historia e gostei muito. Foi quando pela primeira vez pude observar o quanto era Inteligente. Posteriormente escreveu um livro... Um romance, e o enviou para uma editora que pelo menos teve a dignidade de devolvê-lo e apresentar as desculpas por não interessar.

Sebastião era autodidata, quase não freqüentou escolas, mas tinha notícias de tudo que se passava ao derredor do país e do mundo. Fazia os mais diversos comentários sobre conhecimentos gerais. Sebastião amava através da paixão alucinada; sonhava, mas vivia perdido entre as nuvens dos seus sonhos. A pobreza, às vezes, ludibria à felicidade. A verdade dificilmente entra pelos olhos dos cegos. E Sebastião apesar de inteligente era como um cego para atingir os seus objetivos.

Imaginava poder vencer na vida sem sair de Candeias. Deus, contudo, lhe negara a coragem de buscar fora o seu espaço. Eu sempre lhe falava: amigo, você parece querer ser como um rio: fazer o curso sem sair do leito!... Aqui não terá futuro!...

Infelizmente ele começou a beber. Suas doses foram sendo aumentadas e se tornou num alcoólatra inveterado; já era visto quase sempre embriagado. Certa feita, numa das costumeiras excursões na velha usina Bonaccorsi, em meio a tanta gente, pude ver o meu amigo totalmente desnorteado e servindo de chacota para os presentes. Ele bradava alto e em bom som: Eu amo a Marilda... Eu amo a Marilda Paixão... Sim ele amava a Marilda Paixão, mas não tinha um futuro para lhe oferecer e escondia as suas mágoas para afogá-las no álcool.

Após um recesso alcoólico, resolveu escrever uma peça de teatro. Reuniu alguns amigos entre eles eu estava como contra-regra e sonoplasta. Foi um sucesso. O cinema ficou lotado após um grande trabalho de toda uma equipe para ver a casa cheia. Tratava-se de um espetáculo beneficente, em favor das obras da Igreja Matriz.

Após o grande evento, Sebastião totalmente envolvido na sua condição de vitorioso, adentrou-se no Bar do Lulu e começou a beber. Tão logo se embriagou viera-lhe a metamorfose negativa, lhe fazendo expor a explosão que guardava na caixa do seu silêncio.

Logo depois desceu à rua do sobrado, atravessando a Praça da Fraternidade foi ater-se na residência do Dr. Pery Malheiros Simões, onde mora hoje a Sra. Wilba -----  médico, então diretor do Ginásio de Candeias.

Eram duas horas da manhã. O Sebastião totalmente embriagado despertou o morador e disse-lhe em voz alta: “Dr. Pery, eu amo loucamente à sua filha!...” Uma garota à época de pouco mais de dezesseis anos de idade, bonita e rica...
Naturalmente foi tratado como um proletário infeliz e bêbado desencantado da vida.

Alguns anos depois eu o encontrei ebrifestivo totalmente aturdido dando um sorriso sem dentes, mostrando um corpo doente que se não suportava mais a disciplina da vontade.

Levei-o à sua casa. E nesta oportunidade eu pude rever aquele local onde quantas vezes eu tentei reanima-lo, buscando convence-lo a começar uma vida nova fora de Candeias, e a resposta foi sempre surda: Não. Não Armando!... Não paga a pena, dizia...

Eu o conhecia bem de perto, portanto, sugeri a mim mesmo que ali não estava um gênio e sim um superdotado perdido no seu pequeno mundo cruel, sem um “deus” para lhe ajudar, porque ele não queria ajuda.

 Senti naquele momento uma funda e comovida piedade. Foi a última vez que o vi.


Armando Melo de Castro -
candeiasmg.blogspot.com









2 comentários:

Claudia Saldanha disse...

Você poderia escrever também sobre o Pedro Quirino, igualmente inteligente como o irmão!

Forma Soluções em Gestão e Edcuação disse...

Olá Armando, familiares e Amigos do Sebastião Quirino,

Belo texto.

Lembro bem do Sebastião, do Judas que ele fez e de um Ovo de Avestruz ou Ema - não sei bem.
Ele carregava este Ovo consigo e com tanto cuidado que eu até achava que acabaria chocando o Ovo rsss.

Eu o via pelas ruas com o Ovo e me preocupava....

Um dia, perto do Bar do Sebastião (se não me engano), vi uma enorme marca de gema e clara no chão e a dedução foi na pinta!
Lá se foi o Ovo!

Também admiro e agradeço muito ao seu irmão o Pedro Quirino que era meu companheiro de Férias escolares.... Ele me dava aulas particulares, pois eu tomava segunda época em matemática e em Inglês todo ano (quando não era bomba).