Total de visualizações de página

sábado, 7 de fevereiro de 2015

O MEU CANTO DE CORDEL.


Eu canto o horizonte de minha terra
E nesse horizonte eu canto a rua onde eu nasci.
A minha tão querida Coronel João Afonso
Agora, tão diferente daquela onde eu vivi.

Eu canto os senhores fazendeiros
E dos fazendeiros eu canto os cafezais.
Semeados por homens progressistas
Tão bem vindos desde os tempos de Tendais.

Eu canto o município de Candeias
E de Candeias eu canto o seu fundador
Zoroastro Marque da Silva,
O nosso querido e senhor doutor.

Eu canto a Prefeitura Municipal 
E da Prefeitura eu canto prefeitos honestos:
Zoroastro, João Bernardo, Raimundo e Nestor,
José Pinto e mais de uma vez o seu pai João,
Trabalharam com afinco e com louvor.

Eu quero cantar também, a Câmara de Vereadores,
E da velha Câmara eu canto vereadores sem remuneração.
Candeenses que trabalharam por amor ao mandato
Pensando apenas em contribuir com a população.

Neste cantar de exaltação à minha terra querida,
Eu sinto no meu coração bairrista uma grande emoção.
Sinto-me invadido por um sentimento de felicidade
Que sai do cérebro e acomoda no meu coração.

Portanto, comovido agradeço e registro neste cordel,
Aqueles que participaram da parte boa dessa história.
Mas também aos que fazem o capítulo negro desta terra,
Haverão de ter manchado os seus nomes na memória.

E para encerrar agora um canto triste,
Não posso deixar de ser verdadeiro.
A Câmara de Vereadores da atualidade,
Envergonha a nossa história por inteiro.

O vereador candeense não sabe, ou finge que não sabe,
O que é ser representante do povo na casa do povo.
Não honra a procuração que recebeu nas urnas
E só pensa em ganhar a eleição de novo.

E nesta ultima estrofe, do meu cantar poético,
Eu canto de Candeias o prefeito.
E do prefeito eu canto o seu salário exorbitante
Sendo omisso e sem conceito para o que foi eleito.

E para finalizar peço justiça cantando neste cordel:
Que os nomes que logram a nossa terra,
Sejam malditos cravados em cada lembrança
Como subtrator humano e infiel bozerra

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos





Nenhum comentário: