Total de visualizações de página

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O MERCENARISMO RELIGIOSO

No princípio da década de 50, apareceu aqui, em Candeias, um cidadão protestante pregando o evangelho, nas proximidades do chafariz, que fica localizado nos jardins que fronteiam a Igreja do Senhor Bom Jesus.
Não havia, nesse tempo, em Candeias, praças e nem calçamentos. A Avenida 17 de Dezembro era chamada de Largo. E os três chafarizes que ainda existem (hoje inoperantes), eram pontos de referências para esse tipo de coisa: encontro de namorados, camelôs, pose para fotos, etc.

Um pregador protestante, naquele tempo, era visto pelos católicos como se fosse o diabo. E ao iniciar, a sua pregação, ajuntaram-se, ao seu redor, algumas pessoas, talvez, por curiosidade.

Logo que correu a notícia de que alguém de outra religião pregava na cidade, o pároco mandou badalar os sinos e convocou os fieis através do microfone para uma procissão de desagravo. A bem da verdade, esta procissão seria para dar início ao processo de expulsão daquele estranho no ninho.

De forma muito humilhante, o cidadão foi escorraçado da cidade por um grupo de pessoas, incitado, pelo padre, que pretendia expulsar o intruso do seu território religioso.
Os manifestantes agrediram o pobre homem com cusparadas no rosto, chutes, pernadas e, por fim, ao se darem conta de um monte de pedras, nos fundos da Igreja do Senhor Bom Jesus, a criatura indefesa passou a ser ameaçada de ser apedrejada.

Não fosse a iniciativa do Sr. Willian Viglioni, que num gesto de afoiteza, tomou-se de uma faca de cortar salame no bar que existia junto à sua residência, acredito que a situação teria tomado proporções dramáticas diante da fúria do povo católico.
Auxiliado pelo seu amigo, Edgar do Conde, Willian amparou o pregador e o levou até o antigo Hotel do Bitu que ficava localizado onde hoje esta situada a Loja dos Colchões. Dali, o homem seguiu para a estação ferroviária, de onde partiu levando consigo as mais contristadoras lembranças de nossa terra.

Sem dúvida, esse comportamento fanático deixou-nos uma mácula para a história de Candeias. Teria sido como a vergonha da inquisição presente aqui na nossa pacata cidade.Jiddu Krishnamurti, o grande pensador indiano, dizia que o falatório e a estrutura das religiões organizadas tendem a separar os homens. Eis que aí está.
As religiões estão se tornando, a cada dia, mais organizadas, mais cheias de falatórios e mais estrategistas nessa tomada de espaço por parte dessas igrejas que se intitulam evangélicas ou crentes. A bem da verdade, não se trata de evangélicos e nem crentes. Vivem buscando seus estratagemas no Velho Testamento e o verdadeiro Deus de sua crença é o dízimo. Crentes ou evangélicos são titularidades criadas apenas para confundir pessoas humildes, sofridas, passando por dificuldades, carentes de atenção e de amor. Pensam que com isso podem passar uma imagem de que são mais puros e mais privilegiados perante Deus. Como se fossem diferentes. Dizem que são religiões, mas, na verdade, são seitas desprovidas de senso moral e que abusam vergonhosamente da fragilidade humana. Não precedem de nenhuma ramificação cristã, pois não se definem como oriundas do catolicismo e nem do protestantismo.
Talvez, os engambelados seguidores dessas igrejas que pagam caro por ser delas um fiel, sejam, verdadeiramente crentes. E como a fé remove montanhas, os “donos” dessas “igrejas” roubam-lhes até a fé.
Igrejas que não têm filosofia própria e o tema de suas pregações é uma paçoca teológica de luteranismo, calvinismo, anglicanismo, bramanismo, catolicismo, pentecostalismo, kardecismo, umbandismo, e o principal: o “dizimismo”.

Crente é todo aquele que crê em algo. Pode ser crente em Deus, nos santos, na ciência, nas assombrações, nas promessas dos políticos e até no diabo. Enfim, todo seguidor de uma religião qualquer, consequentemente, pode ser um crente.
Portanto, ser um crente não significa propriamente ser evangélico. Evangélico é aquele que se orienta através do Novo Testamento. Os católicos, os pentecostais, etc. Os verdadeiros evangélicos não se confundem com o velho testamento. Tomam do seu conhecimento apenas para se orientarem. O verdadeiro cristão está inserido no Novo Testamento, ou seja, no Evangelho de Jesus Cristo. Portanto, quem cobra dízimo, em percentuais, não é evangélico.
Estamos vendo, por aí, titulares dessas igrejas nadando em dinheiro em detrimento da pobreza de seus seguidores. Prometendo milagres com hora marcada e abusando da fragilidade de pessoas moralmente debilitadas. Postam-se como inimigos do diabo e privilegiados de Deus. E nesse paradoxo, vão fazendo dos seus adeptos um enleado pronto para ser escravo. Executam um curandeirismo sem o propósito ideal como propaganda da venda de milagres. Criam-se meios astuciosos e fazem de suas denominações religiosas, verdadeiros partidos políticos e usam os seus altares como comitês para se elegerem. Haja vista que, dentro do poder constituído, o conceito político é sempre ressaltado: “Bancada Evangélica”.
Nada impede um religioso de se candidatar a um cargo eletivo, mas, por que bancada “evangélica”!? Isso avilta ainda mais a política brasileira.

Igrejas que cobram 10% de dízimo de seus fieis e se dizem evangélicas são verdadeiras empresas que só visam o lucro e o materialismo.

A Igreja Católica, detentora da maior fatia do poder religioso, aqui no Brasil, parece-me um tanto perdida nesta guerra com os “evangélicos”. E com isso, vai tomando rumos bem parecidos. Não somente no púlpito, mas, no meio político-partidário, no meio social e em meio aos veículos de comunicação que são objetos favoráveis para a busca de condições no sentido de atingir o alvo dominante. E isso faz com que os católicos usem das mesmas armas para defenderem o seu território. Apropriam-se de estações de rádio e televisão tendo padres em suas direções. Padres artistas cobrando altos cachês pelas suas apresentações, em espetáculos pouco atinentes à verdadeira objetividade de uma igreja.
Estão se transformando com o firme propósito de assegurar o espaço que vem sendo tomado por essas empresas denominadas “Igrejas Evangélicas”. Mas, o faz de maneira opaca. Criam-se tantos estorvos, tantas exigências que vão, cada vez mais, perdendo os fieis para os seus concorrentes (Infelizmente este é o termo certo: concorrentes)Os padres vão se tornando, a cada dia, quase que uma figura simbólica dentro da Igreja Católica. Os fieis vem tomando conta da maioria das tarefas, de forma pouco orientada. Comumente, se vê pessoas da comunidade fazendo até casamentos. A organização católica tem ministros tanto quanto o Governo Lula. Ministro disso, ministro daquilo e os padres pouco aparecem. Talvez, intimidados por esse tsunami interminável de pedofilia dentro da sua igreja. Essa pouca vergonha que vem enodoando o catolicismo, cada dia mais. O padre católico está se transformando em uma figura que perfuma a pedofilia enquanto ela fede para as famílias de bem. E, com certeza, a culpa maior desses desvios, entre os representantes da Igreja Católica, é devido a um celibato que não mais se justifica diante de um mundo em que o sexo vem ocupando lugar de destaque nas relações. E por que a Igreja Católica não acaba com essa tempestade humana chamada celibato? Esta é uma pergunta que muitos formulam e sem resposta. Por quê? Porque envolve dinheiro, patrimônio etc. e tal...

A celebração da missa tornou-se um ritual monótono. A pregação dos padres, longas e enfadonhas, quase não consegue tomar a atenção do fiel.
A maioria dos padres não tem o dom da eloqüência e são anti-sociais.

O ritual de um sepultamento vem se tornando tão fastidioso que, boa parte dos fieis, ficam do lado de fora da Igreja aguardando aquele falatório sem um tema próprio, para cada caso. Os leigos chamados ministros, apesar da boa vontade, são despreparados e não sabem, na maioria das vezes, presidirem um ritual onde seriam necessárias algumas palavras soltas diante de uma circunstância específica. Lêem aquele texto maçante e demorado que não diz nada para ninguém, que não conforta ninguém e, talvez, até o defunto se cansa!...

Como católico, isento de fanatismo, estou sentindo que a Igreja Católica está aceitando a sua própria rendição principalmente com essa pedofilia no âmago da Igreja. Enquanto essas casas comerciais, chamadas “igrejas evangélicas”, vão avançando em busca de dinheiro e, consequentemente, de poder.


São os líderes religiosos usando dos mais diversos estratagemas para vencer uma competição onde o princípio essencial deveria ser o amor alimentando as três virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade.

E não há dúvida de que a arma principal para qualquer tipo de guerra é o poder do dinheiro. E aí entra o “pé de coelho” do mercenarismo religioso: o dízimo.

Esse antagonismo já chegou aqui em Candeias. Já se vê igrejas com diversas denominações correndo atrás dos “cobres”.

A Igreja Católica alega que não estabelece contribuição percentual para o dízimo sobre a renda do seu fiel. Mas, são tantas as frações da Igreja a pedir que se o cristão for atender todos os pedidos, dez por cento da sua renda, será pouco. E ninguém vê caridade. E para onde vai esse dinheiro?
Uma fração da Igreja Católica, chamada “Os Carismáticos”, pedem tanto que se alguém for escutá-los acaba dando cinqüenta por cento de dízimo. E ainda se dizem evangelizadores, mas, não fazem nada de graça. Aliás, todos se dizem evangelizadores, mas, claro, a custa de dinheiro. Eu tinha uma vizinha, que sempre dizia: “Religião é dinheiro”. E é mesmo!...

Algumas, muito poucas, instituições “evangélicas” não estabelecem os dez por cento de dízimo, mas, ao pregarem, usam textos do Antigo Testamento, como por exemplo: “Repreenderei o devorador... Roubais ao Senhor nos Dízimos” etc.etc.etc. Termos que nada tem a ver com o Cristianismo.
Já a maioria dos “crentes evangélicos” é obrigada a dar a contribuição de dez por cento da sua renda para a sua igreja. É de se saber que as igrejas não pagam imposto. E quem não paga o dízimo é enquadrado no “Malaquias 3.8. como ladrão”. (?)

Não somente em Candeias, mas em todo o Brasil, qualquer um pode montar uma igreja. Aliás, fundar uma igreja tornou-se um grande negócio. Pessoas, semi-analfabetas, desprovidas de qualquer princípio teológico, tomam-se do cargo de pastor, amedrontando pessoas humildes através de um diabo violento e forte. É tão forte que, em suas pregações, às vezes, esses equivocados pastores se fazem entender que o diabo seja mais forte do que o próprio Deus... Do que o próprio Jesus Cristo! Aliás, existem igrejas que mencionam tanto a figura do diabo que se acaso amanhã ficar provada a sua inexistência, ficarão todas vazias.
Igrejas montadas em garagens de automóveis, galpões, cinemas, lugares desprovidos de quaisquer princípios sacros.
Ali se discute princípios ausentes da Bíblia Sagrada sendo que o principio básico daquela igreja nem sempre é a fé em Deus e sim no dízimo.

Certa vez, conversando com um pastor de uma Igreja Evangélica, ele me disse que de acordo com o livro de Malaquias (O ultimo livro do Velho Testamento) aquele que se negar a dar o dízimo é ladrão do Senhor.

Durma-se com um barulho desses...

Ora, o livro de Malaquias contém apenas quatro capítulos e, no entanto, está sempre na boca dos “cata-dízimos”. O líder religioso que usar deste livro para ameaçar um cristão sobre o dízimo será ele o legítimo ladrão. Isto porque, nenhum cristão tem a obrigação de pagar o dízimo e quem diz isso é a própria Bíblia.

Eu não tenho aqui a intenção de contrapor o dízimo, mas, simplesmente, responder àquele que disse que baseado no livro de Malaquias, quem não der o dízimo é ladrão.
O dízimo foi estabelecido para os sacerdotes judeus, filhos de Levi e não para a Igreja de Jesus Cristo. Hebreus 7:5 - Devemos entender a diferença que existe entre contribuir em Lei e contribuir em Graça.
Na Lei, o dízimo era a causa principal da bênção do povo judeu. Portanto, a bênção referida deste dízimo do Malaquias 3:10; refere-se ao povo judeu que contribuía conforme a Lei dando o dízimo para ser abençoado.
Na Graça, o sacrifício de Jesus Cristo é a causa principal da bênção do povo cristão. Jesus morreu para nos salvar e para que fôssemos abençoados. Por isso, a maneira correta de o povo cristão contribuir em Graça é através de
Coríntios II 9:7: Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria.
Em Romanos 8:1 está escrito: Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus
.E por que vêm os senhores pastores usar do livro de Malaquias para dizer que quem não paga o dízimo é ladrão?
Jesus condenou quem dizimava até a hortelã e o cominho e não ofertava o seu amor ao próximo. Por ai nota-se que mesmo o dízimo do Velho Testamento, era um dízimo agrícola e não em dinheiro.

Ao invés de incentivar os cristãos, principalmente os mais humildes, a contribuírem espontaneamente com amor, certos “pastores” procuram causar medo de maldição visando somente o dinheiro do dízimo.
A forma com que a maioria das igrejas trabalha o dízimo é desonesta e não tem a ver com a Bíblia.

Eu acho que as pessoas deveriam confrontar sempre o que dizem por aí, pelo rádio, pela televisão e pelos púlpitos dessas igrejas, com o que, verdadeiramente, se encontra no livro sagrado. A maioria desses pastores de rádio e de televisão vive fazendo proselitismo de igrejas que cujo Deus é o dinheiro. Abusam da fragilidade humana para persuadir pessoas humildes. Montam uma programação como se armam uma arapuca, dizendo que são missionários do Cristo, quando na verdade são os mercenários do Cristo. Auto se intitulam com poder de cura, de salvação e outras baboseiras mais quando, na verdade, são eméritos exploradores e pecadores que não curam coisa nenhuma.
Infelizmente, muitas igrejas tornaram-se bem parecidas com a antiga Igreja Romana que usava das indulgências como fonte de lucro induzindo fieis a contribuírem por medo da maldição, a comprarem a sua salvação do inferno e do purgatório.

O cristão não é obrigado a dar o dízimo. Mas ele deve sim, contribuir feliz por saber que pode fazê-lo por amor a Deus e do jeito que propuser o seu coração. Contribuir pela graça e não pela coação psicológica e doutrinária, utilizadas por líderes de igrejas, através de versículos da lei judaica. Portanto, não existe nenhum versículo, no Novo Testamento, que registra a obrigatoriedade do cristão dizimar.
.

Fazem uma lavagem cerebral religiosa porque o dízimo é a galinha dos ovos de ouro que proporciona aos inescrupulosos, estabilidade financeira e poder como se fossem os donos da fé vendida a altos preços para os fieis. Deus de nada necessita, pois é o dono de todas as coisas. Nem é servido por mãos de humanos.

A cruz, símbolo maior da cristandade, pouco a pouco, vai se afastando de Cristo e já se torna objeto de decoração ou de enfeite. O estar ou não estar exposta, numa repartição, seja pública ou privada, não está mais fazendo o efeito de outrora. Infelizmente, trata-se de uma cruz desprovida do sentimento cristão. Uma cruz que já não atinge quase ninguém.

Concluindo a minha reflexão: eu sinto que a lição que Jesus Cristo nos deixou está deturpada. E eu pergunto: Por que essas pessoas que se dizem portadoras de poder para curar querem fazê-lo diante das câmaras de uma televisão? Ou no púlpito de suas igrejas?
Se essas pessoas que se dizem munidas do poder de cura, curassem realmente ou se fossem, verdadeiramente, seguidores do Evangelho de Cristo, naturalmente, iriam lembrar que Jesus disse em Mateus 10.8: Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demônios; dai de graça o que de graça recebestes.
É lamentável esta exploração que estamos vendo por todos os cantos...

Armando Melo de Castro
Candeiasmg. blogspot.com
Candeias MG
Nota do Autor:
Apesar de raras, muito raras, existem instituições religiosas sérias e merecedoras de respeito. Por si sabem quem são e não se farão incluir
na filosofia deste texto.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom.. Esse Artigo precisa ser vinculado para que todos tenham esta mentalidade. A respeito do Dizimo. Falo e dou testemunho. Aquilo que esta dentro dos meus limites é devolvido para o Senhor e tenho recebido muitas graças.Embora não ter fazido nada em troca, mas somente de Coração.Sou Católico, e embora vimos mtas erros em nossa igreja,procuramos transmitir aquilo que é bom e correto aos olhos do Senhor, sem interesses e sem demagogias.

Franz disse...

Fico imaginando se algum dia alguém resolver matar crianças a partir dos doze anos de idade. Disse Jesus: Vinde a mim as criancinhas, elas são o reino dos céus.

Ou algum malandro resolve criar, baseado em Salomão que tinha 900 mulheres, a Igreja Salomônica. Cada fiel homem teria direito a quantas mulheres quisesse.

ricardo andre salviano disse...

vejo este caso ,como o acontecimento em atos do apost cap 6 verso 8 a 15 e cap 7do 1 ao 60 parecido.ou seja a verdade doi .
a questao do dizimo e biblico leia malaquias cap3 versos 8 ao 10.