Total de visualizações de página

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

DOCE DE BICHO DE GOIABA




A goiaba é o fruto da goiabeira. Pertence à família das mirtáceas. É muito comum nos pomares e, também, facilmente disseminada por todos os lugares do Brasil. Existem muitas variedades, porém, as mais comuns e comercializadas são as de polpa da cor branca e vermelha. Quando madura possui um formato arredondado de cor verde-amarelada e é muito cheirosa.

Sua origem é na América Tropical e é amplamente cultivada nos países de clima quente. Existem diversas espécies nativas nos cerrados brasileiros. Supõe-se que a goiaba vermelha é originária do Brasil, o maior exportador desta espécie.

A goiaba pode ser consumida “in natura”, em forma de doces, sucos, geléias, compotas, etc. e é largamente indicada para dietas por conter pouco açúcar e nenhuma gordura.
 Possui mais vitamina “C” do que a laranja e o limão, principalmente a espécie da polpa branca.


Certas moscas usam a goiaba para depositar os seus ovos dando origem ao conhecido bicho da goiaba. Mas, não se trata daquela mosca que vemos voando sobre as imundícies. É uma mosca diferente chamada mosca-da-fruta. É dividida em várias espécies e cada qual ataca uma fruta diferente.

Apesar de ser extremamente nojento, comer o bicho da goiaba não faz mal algum. Ele tem tantas propriedades quanto à fruta porque desde que nasce sua única fonte de alimentação é a fruta. E há um detalhe importante: quando há bicho na fruta, é sinal de que esta não tem agrotóxico. Portanto, há quem diga que bicho de goiaba é goiaba.

Por volta do ano de 1957, quando eu contava com meus onze anos de idade, minha família teve uma residência provisória, na Rua José Furtado, que liga a Rua Coronel João Afonso à Praça Ilídia Cardoso Freire, no Bairro da Gruta. Naquela oportunidade, eu convivi com um grande pé de goiaba que ficava na divisa entre a nossa morada e a de um vizinho, chamado Balbino.

Balbino, natural da cidade de Formiga, teria vindo para Candeias a fim de trabalhar como cortador de pedras para as obras de calçamento que se iniciavam, então, por ocasião da gestão do Prefeito José Pinto de Resende.
Viera acompanhado de sua família: sua esposa Dica, seu filho Idelfonso e suas filhas, Rosa e Maria do Carmo e a netinha Ingred.
Contava uns cinquenta e poucos anos de idade, mais ou menos. Moreno escuro, alto, cabelo ruim, mal barbeado, sorridente a mostrar uma falha de dente, no maxilar superior. Falava alto. Aliás, na sua casa, todos falavam alto. A vizinhança tinha conhecimento de tudo o que se passava no seio da sua família.

A mulher gorda, cabelos embaraçados, trajando sempre um vestido cor de terra “bate-e-enxuga” tinha um problema na visão e estava sempre usando uns óculos escuros. Um dia, eu a vi sem os óculos e observei que era caolha.

O filho mais velho, o Idelfonso, era viúvo, tinha perdido a mulher no parto da filha Ingrid. (Não sei onde arrumaram este nome – Talvez tenha sido uma alusão à Ingrid Bergman...). Essa netinha era criada pelos avós.

Rosa era gordona. Cabelo curto, seios enormes, achava graça de tudo e ria alto chamando a atenção dos outros. Não tinha namorado e já contava a idade das balzaquianas. Dizia sempre que não era chegada na fruta, chamada homem.

Maria do Carmo, a caçula, era a mais silenciosa e a de melhor aparência. Tinha um namorado metido a cantor sertanejo que, de quando em vez, aparecia por lá com um violão e o seu prefixo musical era a moda de viola “Ciganinha”. A sua voz de taquara rachada, sem nenhuma tessitura, já andava ferindo os ouvidos de toda a vizinhança, principalmente, nos dias de bebedeira. Chamava-se Otávio, tinha cara de otário e era tratado de Tavinho. 

Tavinho era uma figura chocha, sem sal. Gostava de uma camisa vermelha e tinha o cabelo longo coisa, então, da moda jovem da época. Aos domingos, sempre chegava com uma garrafa de pinga, algumas de cerveja e um pedaço de carne. Aquilo era como que uma isca para ganhar o sogro que era demasiadamente avarento, mas gostava de molhar o gogó com uma pinguinha e estercar-se com um pedaço de carne regado à cerveja. Mas, isso, naturalmente, quando de graça, porque o velho parecia que mantinha um escorpião nos bolsos. 

E não só ele gostava da canjebrina, como, também, toda a prole apreciava o bochecho. E quando todos ficavam embriagados, o velho se danava a falar palavrão e a velha a cantar desafinada com o genro. A Rosa a dar risada e o Idelfonso a bater no fundo de uma panela. A única a falar pouco, era a Maria do Carmo, a pretendida do patrocinador daquele banquete romano.

Balbino era notável pela sua avareza. Comprava tudo de meio em meio quilo e quando lhe pedia algum dinheiro estava sempre reclamando:

---Oceis tá gastano muito, gente! Os trem tá caro dimais, sô. É priciso incunumiza muncado, sinão nóis vai é passá fome. Ocêis tá cumeno é muito!...

O velho era bravo e, quando a mulher arriscava a lhe dizer para deixar de jogar no bicho, ele quase lhe batia e dizia:

--- Jogo sim! E ninguém tem nada quisso. Os cobre é meu e pronto...

Na divisa entre o nosso quintal e o deles, havia um grande pé de goiaba cuja carga, naquele ano, teria sido bastante carregada. O cheiro da goiabeira ia longe e era goiaba para todos os lados. Porém, cheia de bichos.

Certo dia, como as portas das nossas cozinhas ficavam próximas, ouvi quando a Dica disse para a netinha Ingrid:

---Hoje eu vou fazê um poquim de doce de goiaba procê... Só que ocê vai tê qui me ajudá a catá os bicho...

Daí a pouco, vem chegando a Rosa:

--- Que qué isso mamãe, vai fazê o quê quessas goiaba?

--- Um docim pá Ingrid...

--- O quê? A siôra ficô doida? Isso nem é goiaba, é bicho puro...

--- A Ingrid vai me ajudá a catá os bicho...

Logo depois, vem chegando o Idelfonso, pai da Ingrid: 

---O que é isso mamãe, vai fazê o quê quessas goiaba, cheia de bicho?

--- Um docim pá Ingrid... 

---Mas mamãe, isso não é goiaba. Isso é o puro bicho. É mais fácil comprar um pacotim de doce pronto... Quem vai comer isso?

---A Ingrid vai me ajuda a catá os bicho...

Daí a pouco, vem chegando a Maria do Carmo:

--Que é isso mãe? Vai fazê o quê quessas goiaba bichenta?

--- Vou fazê um docim pra Ingrid, ela vai gostar...

---Mãe, que idéia ruim, só... Isso é o puro bicho e a senhora não enxerga bem...

---A Ingrid vai me ajuda a catá os bicho...

---Eu não como isso, nem se me matá...

Finalmente, chega o Balbino:

---Qué isso Dica? Ocê num tá pensando em fazê doce de bicho de goiaba não, né?

---É só um poquim, Bino. É pra Ingrid... 

---De jeito ninhum! Açuca tá custano muito caro e quem compra é eu...

---Tadinha Bino, ela nunca cumeu e vai gostá...

---E ocê vai dá doce de bicho pra minina, muié? E dispois isso aí nem é goiaba. É mais bicho do quê goiaba.

---Tadinha Bino, ela nunca cumeu e vai gostá...

---Tadinha Bino... Tadinho do meu borso, com açuca caro pra doce de bicho... E ocê quessa vista ruim, nem vê os bicho. E quem é qui vai cume, isso?... Eu num como...

.---A Ingrid vai me ajudá a catá os bicho...

---Cunversa fiada. A minina tem três ano e vai catá bicho?!... Deixa de enrolo...

---Eu vou fazé sim, Bino. Mas, é com o dinherim que ela ganhô do padrinho dela...

Alguns dias depois:

---Uai, Dica, a Ingrid num cumeu o doce não?

--- Cumeu só um poquim...

--- E ninguém quis cume, não?

---Não, ninguém quis não...

---Intão eu vô cumê, pra num perdê...



Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos

Nenhum comentário: