Total de visualizações de página

segunda-feira, 14 de junho de 2010

CRUZEIRO DO JOSINO


Hoje apontarei algo que muito enriquece a tradição candeense.Um local que merece registro pois trata-se de um ponto de veneração, que vem repassando gerações e gerações candeenses, numa demonstração de fé e espiritualidade. Eu me refiro ao “CRUZEIRO DO JOSINO”.
Josino - "Mestre" - como era conhecido, foi professor na zona rural. Tecnicamente era detentor apenas do conhecimento básico, mas possuía conhecimentos adquiridos através de uma cultura natural. Era visto pela sociedade candeense como pessoa bastante inteligente. Morava e lecionava na comunidade dos Cassianos. Tinha o dom da eloqüência e a palavra fácil. Gostava de discursar nas festas e cerimônias quando se propunha a falar da história de Candeias. Seus relatos eram isentos de registro histórico; sem consistência e baseados apenas em tradição oral. Empolgava-se nas exposições dos fatos e quando se perdia transportava o tema para uma observação lendária.

Sua origem é incerta, mas supõe-se que tenha vindo da cidade de Itapecerica em companhia de um padre. Era visto na cidade por ocasião de festas e quando se dispunha a trazer produtos da roça para vender.


Tinha fama de comilão, pois era um verdadeiro glutão. Quando na hipótese de passar alguns dias na cidade, trazia já pronta, uma lata de comida. E como naquela época não havia geladeiras, Josino mestre não se apertava, pois o acerbo da comida não lhe preocupava. Tinha ele um estômago de ferro...

Num cruzamento de caminhos, numa vereda da serra que leva aos Cassianos, em terras de propriedade da família do senhor Anísio Viana, está com os seus braços abertos, “O Cruzeiro do Josino”.

A história daquele Cruzeiro se perde no tempo. Vem vindo de geração para geração. Trata-se de informação anônima de que a existência da primeira cruz fincada naquele ponto data-se de antes da histórica picada de Goiás. Toda a geração Cassiana é unânime em informar que não se tem notícia da primeira vez em que foi colocada uma cruz ali. De tempo para tempo vem sendo transportada essa incógnita.

Dizia, o Sr. Tavico Cassiano, que naquele local teria morrido, há centenas de anos, perseguido pelo pai da moça, um casal de namorados. Essa informação não tem consistência perante outros membros da família Cassiano. Por conseguinte supõe-se ser esta, uma informação lendária.

Lembro-me de ouvir o meu avô, João José de Castro, o João Delminda, dizer que quando criança, levava água para banhar o pé da cruz num gesto de reverência, quando pedia aos céus um alívio através de uma chuva que pudesse amenizar o incômodo pelo estio...

Minha mãe hoje com oitenta e dois anos, também teria feito o mesmo quando criança. E eu muitas vezes acompanhei ao meu pai neste mesmo ritual.

Vigia aquele cruzeiro uma árvore centenária, uma Maria Preta, que lhe faz sombra no amanhecer, cujo tempo lhe faz tomada pelas ervas parasitárias.

Josino Mestre residia nas imediações e ali era o seu ponto de cultuar a Deus. Anteriormente, eram cruzes menores, mas posteriormente, por iniciativa de Josino foi colocado o primeiro cruzeiro. Motivo pelo qual, tornou-se o símbolo, denominado, “Cruz do Josino”.

Além de construir um pedestal, fez um cercado ao redor deste e construiu um grande cofre de latão que ficava adaptado numa grande tora de madeira. Esse cofre com o tempo desapareceu, naturalmente por vândalos no sentido de roubar os trocados que o povo ali deixava depositados. A partir daí tomou-se o nome de Cruzeiro do Josino.

Com a morte do professor a família do Sr. João Cassiano Máximo foi quem passou a zelar daquele capítulo da nossa história. Hoje, quem assumiu como um gesto benevolente, os cuidados daquele ponto depositário de fé popular, é o senhor João Cassiano Máximo Filho, e sua esposa Lucília que empenham em conservá-lo aos nossos olhos. Já pela segunda vez renovam a cruz às suas expensas, para que se não extinga aquele patrimônio espiritual tão importante do povo de Candeias.
Há pouco tempo o cruzeiro existente, já corroído pelo tempo, caiu tendo sido destruído e foi igualmente substituído, pela família Cassiano; oportunidade em que foi abençoada pelo Revmo. Padre Moncef, diante de um grupo de fieis e freqüentadores daquele ponto cultual.
A exemplo de outras pessoas, há anos, eu visito o Cruzeiro do Josino, buscando amparo espiritual. Você que lê esta mensagem, faça a sua reverência ao Cruzeiro do Josino e com certeza estará recebendo o amparo espiritual do maior símbolo de religiosidade cristã e do mais antigo ponto cultual de Candeias.

Texto: Armando Melo de Castro e fotos de Lilita Ribeiro de Castro.
Candeias/2010
NOTA DO EDITOR:
Você pode postar seus comentários no blog, entretanto, se você quer receber uma resposta do autor ou obter informações adicionais você precisará enviar uma mensagem para o e-mail :
blogdoarmando@yahoo.com.br

Nenhum comentário: