Total de visualizações de página

domingo, 11 de agosto de 2013

O MEDO.

Foto para ilustração do texto.
O medo, a meu ver, nada mais é do que um problema de inquietação imaginária, de ordem psicológica. Às vezes, eu penso e concluo que o medo é um verdadeiro diabo que vive dentro de nós. Será que existe alguém que realmente nada tema? Eu duvido. Parece que, para cada caso, existe um tipo de medo. É o medo da morte, o medo de feitiço, medo de avião, medo de assombração, medo de doença, medo da velhice, medo disso e medo daquilo, enfim, são tantas situações causadoras do medo que seria difícil enumerá-las todas aqui. Eu não acredito que exista alguém, em sã consciência, que possa dizer que não tem medo de nada. Entretanto, no caso de existir alguém que, na realidade, não sinta qualquer tipo de medo, com certeza, um medo lhe estará reservado: o medo do diabo.


Conheci um candeense chamado Lázaro da Dica. Um homem enorme que bebia um litro de cachaça, que brigava com a polícia e se escondia no cemitério. Um dia, ele fez a seguinte confissão: tinha muito medo do diabo.

Zé Queijo, um padeiro candeense, que também foi coveiro no cemitério da cidade, não tinha cismas, contudo, um dia ouviram-no dizer que o seu medo era do diabo porque esse bicho andava solto...

Joaquim Meia-noite, um roceiro das bandas da localidade dos Arrudas, andava somente à noite e, principalmente, depois da meia noite. Dizia ser um apreciador do barulho das matas na madrugada. Mas, em compensação, dizia sempre ter medo dos malefícios oriundos de um feiticeiro porque eles tinham parte com o diabo.


O medo, do ponto de vista científico, é um sentimento inerente ao ser humano. Pode ser definido como uma sensação de que algo ruim está para acontecer a qualquer momento seguindo-se por sintomas físicos que incomodam ou por um sentimento vivenciado diante do perigo. Quando esse medo é excessivo e irracional em relação à ameaça, apresentando fortes sinais de perigo e acompanhado de comportamento de esquiva diante das situações causadoras do medo transforma-se em fobia, crise de pânico e outras situações específicas.
A fobia é, portanto, um dos transtornos de ansiedade mais apresentados pelo ser humano e um dos distúrbios psicológicos mais estudados.

Sob o ponto de vista religioso, as crenças criaram um conjunto de dogmas doutrinários no sentido de cultuar a Deus onde o medo é ingrediente indispensável para aqueles que se dizem evangelizadores. Existem, por aí, igrejas que vivem assustando os seus fiéis com ameaças psicológicas. Criam-se um diabo que causa medo e que faz oposição a Deus. Ora, se Deus é onipotente, onipresente, onisciente e bom; se Deus é o Criador de todas as coisas, por que ter medo do poder desse diabo? Mesmo se existir, não será opositor a Deus. 


Tanto Deus quanto o diabo estão dentro de nós mesmos. Agora, o que me implica são esses pastores vigaristas, exploradores da fé de pessoas humildes sem qualquer conhecimento teológico e sem qualquer cultura. Pessoas que vivem em um clima místico, criado por esses ladrões da ingenuidade humana que vão infiltrando na cabeça dessa pobre gente ignorante uma pressão psicológica, um temor imensurável, inclusive, ameaçando-lhes diante do medo do diabo, colocado na cabeça desse povo, ao lado de Deus, propondo-lhes curas milagrosas. É claro que milagres existem mas não do jeito que prometem.


À bem da verdade, esses hipócritas acharam o caminho da mina, pois, Deus e o diabo, por uma questão cultural bíblica, sempre andaram juntos e é muito mais fácil alimentar o medo do que eliminá-lo, mesmo tendo Deus como forte e bom. Afinal, o diabo é o símbolo do mal que causa medo e que pode ser transformado em fobia, cuja cura está em Deus. 

Esses pastores são como baratas: “mordem e depois assopram” e o lamentável é que essa gente que não tem uma condição cultural lógica para se livrar desses mercenários do Cristo, tiram o seu alimento da boca para enfiá-lo nos bolsos desses exploradores. O que muitos não sabem é que para se aproximar de um desses pastores, durante um programa de televisão, é feito uma triagem na qual são aproveitados os pobres alucinados e fanáticos que, inescrupulosamente, são aproveitados como verdadeiros propagandistas, como é o caso daquele infeliz que disse que ao passar uma “toalhinha” cedida por uma dessas igrejas, na porta do Banco Bradesco, ficou livre de uma conta de dezoito mil reais. COISA ABSURDA.


É de todo patente que as pessoas, em um estado emocional desajustado, têm uma reação orgânica cujas dores somem. Outros são hipocondríacos e sofrem de doenças criadas pela própria mente. E existem ainda as chamadas dores fantasmas quando alguém, por exemplo, tem uma perna ou um braço amputado e continua a sentir a dor e a coceira na parte do corpo atingida. E, assim, diante dessas lavagens cerebrais, vêem, temporariamente, os seus males extirpados que, entretanto, logo depois estão de volta. A mente humana inventa, acrescenta, destrói e guarda coisas impressionantes e, para isso, esses vigaristas são bastante organizados.


Eu tenho um amigo morador na Avenida JK, no Bairro Bom Pastor, em Divinópolis. Trata-se do Silvano, técnico em consertos de geladeiras. Ele tem um problema sério de coluna. Já teria consultado com diversos médicos e feito vários tratamentos e nada de se curar. Envolvido como telespectador desses programas de televisão religiosos, nos quais aparecem esses  religiosos milionários como RR Soares, Valdomiro Santiago, Edir Macedo e outros tantos  que se dizem curadores em nome de JESUS CRISTO, Silvano foi parar em Brasília por intermédio de parentes que afirmavam que um vigarista dessa estirpe o curaria do seu grave problema de coluna.


Silvano voltou curado de Brasília para a surpresa de pessoas que, como eu, jamais dava crédito a esse tipo de conversa fiada. Chegou quase que pregando o evangelho, dizendo ter encontrado Jesus e, enfim, ter sido curado pelo Senhor Jesus. Dizia-se curado por obra do Divino Espírito Santo. Dizia-se curado pelas mãos de um pastor curador.


Ao me encontrar com o Silvano, cheguei a ficar assustado e, no meu íntimo, pensei: “Será que estarei errado em meus pensamentos meu Deus?!” Cheguei, sinceramente, a ficar em dúvida com os meus conceitos e imaginei, talvez, que eu, no fundo, não acreditasse suficientemente em Deus?! Assim, me questionei: “Será que falta a fé cristã em mim?!


Após vinte e um dias ou três semanas, encontrei-me, novamente, com o Silvano, em plena Rua Goiás, centro de Divinópolis e num impulso perscrutável, perguntei:


---E aí, Silvano! E a coluna? Sarou mesmo?


E ele, com um semblante desanimado, doentio e de pouca esperança disse:


---Ah! Nada, Armando... Voltou tudo de novo! Sinceramente, parece que estou até pior. O meu medo é ficar prostrado em uma cama.


Todavia, como esses religiosos costumam dizer: Foi a fé do Silvano que foi fraca... Então, por que não o alimentam com a fé? Se eu devo levar a fé para ser curado é como se eu devesse levar o banco para me assentar dentro da igreja porque de pé eu não suportaria as dores nas pernas. E depois tem mais: 

Jesus Cristo ressuscitava os mortos e o seu último milagre foi curar uma orelha decepada de um judeu na hora da sua prisão. (Lucas 22.49.51) Onde se encontrava a fé dessas pessoas? Puro efeito placebo...
.
Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos

Nenhum comentário: