Total de visualizações de página

quinta-feira, 22 de maio de 2014

UM TRISTE JEITO DE SER PAI

   Imagem para ilustrar o texto.

Eu contava mais ou menos uns doze anos de idade e numa manhã de domingo, quando eu ia para a missa das 8 horas na Igreja do Senhor Bom Jesus, deparei-me com um acontecimento triste, bem na esquina onde hoje esta estabelecida a Floricultura do Robson Teixeira.  

Há uns cinco metros da esquina, descendo a Rua Sidney Galdino, um casal de namorados conversava feliz da vida. Quando surge, vindo do lado da Escola Padre Américo, o pai da moça, um senhor que tinha o nome de Lacinho. O Sr. Lacinho tinha um rompante forte; morava na zona rural e tinha hábitos extremamente conservadores. E quando bateu os olhos no casal bradou em voz alta:

Vagabundo! Fia minha ocê num namora não vagabundo! Eu num vô cum a sua cara! Ocê num vai casá nunca. Ocê num tem onde caí morto. Ocê que só relá. Eu num puis fia no mundo pra rela-rela não trem à-toa. E ocê sua ordinária, toma seu rumo. Pode tirá o cavalinho da chuva porque com essa raça ruim ocê num casa memo. É mais faci ocê tê que sumi lá de casa.

Eu nunca me esqueci daquele espetáculo; daquela humilhação; daquele jeito violento de tratar uma filha e um candidato a namoro. Até hoje quando me lembro disso, vem à tona de minha mente, a moça tirando do pescoço um cordão de ouro que o rapaz havia lhe dado. E os dois chorando, quando um seguiu rua abaixo e a outra passou à frente e acompanhou o pai para a igreja. 

Era uma moça com mais de vinte anos. Eu nunca mais a vi com outro namorado. E o rapaz, posteriormente casou-se e enquanto os meus olhos vigiaram me parecia ser muito feliz com a sua esposa e seus filhos. Era trabalhador e respeitado na cidade. O tempo o fez sumir de minhas vistas. Mas, o triste fato continua guardado nos fundos dos meus olhos e nunca foi esquecido.

A violência verbal, às vezes, machuca mais do que a violência física. Esta foi uma das grandes lições que a escola da vida me deu. Ver um pai estragar a vida de uma filha pensando que estava lhe fazendo algum bem, ou decidindo por ela aquilo que deveria ter sido dela.

Armando Melo de Castro
Candeias MG Casos e Acasos

Nenhum comentário: